Um atenuador de potência usando a bobina de campo do falante?

jfonseca

Veterano
Registro
1/2/07
Mensagens
1,257
Aprovações
80
Pontos
48
Cidade
Brasília
Website
Valvulados.com
#1
Fala pessoal, bom dia.

Acabo de ter uma idéia e gostaria de ouvir o que pensam sobre.

Todos sabemos que atenuação é um assunto complicado. Não existe atenuador perfeito.

Como bem sabem, os falantes, até meados do século passado, utilizavam uma bobina de campo no lugar de um imã permanente. Uma corrente DC permanente, derivada de algum lugar no circuito, mantinha o estator do altofalante polarizado.

Daí surgiu essa idéia, que nem sei se já existe por aí: o que aconteceria se em vez de mexer no circuito do amp, variassemos a potência alterando a tensão DC da bobina de campo de um falante custom feito para isso? (Poderiam ser produzidos altofalantes específicos para atenuação de potência.)

A reatância indutiva é nossa amiga. Podemos induzir na bobina de campo um sinal AC inverso, feedback negativo. Assim freamos o falante usando reatância, sem esquentar a fiação. Ou não?

Sei que a Eminence já fez algo do tipo, porém usando um velho truque das máquinas de solda antigas: o imã é colocado ligado a um fuso rosqueado. Girando o parafuso você altera a posição do imã pra frente ou pra trás. Afastando o imã do alinhamento com o indutor do cone você reduz o fluxo magnético e portanto reduz o campo e a potência. A Eminence batizou isso de Flux Density Modulation FDM. Aqui no Brasil seria Maquina de Solda Parafuzation MSP.

eminence-atenuador.jpg

É a mesma idéia geral deste post (variar o campo magnético), porém se você usar um eletroimã surge a possibilidade de injetar feedback negativo ou outras modulações que o imã permanente não permite. O eletroimã pode inverter de polaridade ou até mesmo funcionar ativamente por meio de algum circuito, dando efeitos especiais (não só atenuação).

Um exemplo: o amplificador poderia ter 2 estágios de saída invertidos, portanto com fase a 180 graus um do outro. Teríamos 2 controles de volume, um para o circuito do trafo de saída principal (o amp normal) e outro para o trafo invertido (que seria um trafo com air gap, para que seja possível polarizar com DC para levar ao imã de campo). O controle de volume do circuito da bobina de campo poderia ser chamado "Atenuação". Quanto mais alto, mais feedback negativo é injetado no trafo invertido, reduzindo a potência do amp.

O que acham?
 

Matec

Veterano
Registro
10/7/15
Mensagens
337
Aprovações
91
Pontos
28
Cidade
São Paulo
#2
Imagino algumas vantagens e algumas desvantagens desse processo. Só testando pra saber se compensa.