Marshall SL5 - combo 5W

Discussão em 'Amplificadores' iniciado por leo.medeirosg, 4/7/16.

  1. jfonseca

    jfonseca Veterano

    Registro:
    1/2/07
    Mensagens:
    1,192
    Likes Recebidos:
    67
    Pontos:
    48
    Cidade:
    Brasília
    Site:
    Sim! O nome dessa folga é headroom e é a maior diferença entre um amp de alta potência e um de baixa (fora o volume é claro).

    Você tem que polarizar as válvulas para poder trabalhar. Digamos que você polariza o catodo de 12AX7 com +1.5V e aterra a grade via um resistor de 1M. Essa é uma configuração muito comum nos Marshall e outros hi-gain.

    A grade então está no zero, e o catodo no + 1.5V. Como resultado a grade está polarizada a -1.5V em relação ao catodo.

    Então você tem 1.5V para trabalhar no sentido positivo até a grade atingir 0V, e -10V ou algo por aí no sentido negativo até cortar o áudio.

    Se você liga uma guitarra com humbuckers e um boost, e mandar na entrada um sinal de alguns V pico-a-pico, o lado positivo vai chegar a no máximo 1 V antes da grade conduzir e "engolir" o sinal. E o lado negativo vai praticamente até onde o swing negativo "quiser"(em algum ponto ele corta o sinal).

    Como pode ver, no lado positivo a grade "engoliu" o seu boost que ficou lá com algo tipo 2.x V não adiantando nada mandar vários volts na entrada após o boost, e no sentido negativo ela aceitou o boost mas começou a cortar o áudio lá na região dos -10 ou -11 V. Assim, boa parte do boost foi "ignorado".

    No entanto, se estiver usando um captador single-coil, sem qualquer boost, e chegarem apenas 150mV na grade por exemplo, vai sobrar mais de 1V positivo de headroom, e 10 a 11 V negativos. Você vai notar uma diferença enorme entre o sinal clean da guitarra e a saída após esse estágio de ganho, porque a válvula está trabalhando folgada e aproveitando todo o swing positivo e negativo.

    Em termos técnicos, a transcondutância da válvula cai conforme você vai aumentando o nível de sinal de entrada.

    A partir de um certo nível de boost você começa a fazer onda quadrada. E foi assim, fazendo onda quadrada por excesso de drive, que nasceu o fuzz ;)
     
    leo.medeirosg curtiu isso.
  2. leo.medeirosg

    leo.medeirosg Forista Novato

    Registro:
    11/4/13
    Mensagens:
    19
    Likes Recebidos:
    3
    Pontos:
    3
    Vou ser sincero: poxa, que aula!!!
    Eu diria que consegui entender a idéia após ler umas 3x, isso pq sou um guitarrista/eng.civil!!! Imagina um guitarrista/advogado!!?? rs
    Desculpe a brincadeira, mas quanto conhecimento há por trás de nossas palhetadas por aí! E agradeço, em nome de nós, "leigos", por ampliar um pouco os nossos horizontes.

    Bom, pelo que entendi, já pedindo perdão pela tentativa de simplificação do assunto:

    Um ampli de baixa potência possui um sistema de válvulas com menor headroom. Isso pode ser bom, como dito lá em cima, pois permite um "timbre saturado" com menor volume. Porém, tem a contra-indicação de reduzir o ganho de volume com um boost no canal drive.

    Mas, raciocinando um pouco mais: se uso um ampli de 5W (canal drive), preciso de um volume X para chegar na distorção que gosto. Se uso outro ampli de 50W (canal drive) nas mesmas condições, precisarei de um volume Y para chegar na mesma distorção que gosto, porém agora super alto (Y>X).
    Nessa situação hipotética, com os 2 amplificadores na situação do drive que gosto (volumes X e Y), o pedal de boost teria o mesmo efeito nas duas situações.
    Ou seja: num ampli de maior potência (50W ou 100W) o boost funciona melhor simplesmente porque naturalmente não elevo tanto o volume a ponto da saturação das válvulas, o que permite a atuação do boost.

    Correto?

    A solução, portanto, se o pedal de boost não "funciona" no canal drive, seria reduzir o ganho do amp. Correto? Mas perco, assim, o timbre tão apreciado...
     
  3. jfonseca

    jfonseca Veterano

    Registro:
    1/2/07
    Mensagens:
    1,192
    Likes Recebidos:
    67
    Pontos:
    48
    Cidade:
    Brasília
    Site:
    Exatamente, @leo.medeirosg! Em amps menores, para destacar o timbre do pedal, você tem que reduzir o volume do amp para deixar transparecer o sinal de entrada. E o contrário também vale, se abaixar o nível do pedal e aumentar do amp, vai destacar mais o timbre/distorção do amp. Não sei se fui pedante no post acima rss, a intenção é ilustrar eletricamente o que está acontecendo lá dentro. Abraços!
     
  4. leo.medeirosg

    leo.medeirosg Forista Novato

    Registro:
    11/4/13
    Mensagens:
    19
    Likes Recebidos:
    3
    Pontos:
    3
    Imagina, suas explicações foram fundamentais p/ o entendimento. Assim como seu livro, nos mostra o que está por trás.
    Mas uma pena isso ocorrer (headroom/boost). Vou ver como consigo equacionar essas variáveis. Mas pelo jeito, c/ este amp SL5 não conseguirei tocar com a banda, mesmo ligando 2x12.
    Uma pena pois o timbre dele é lindo, e por ter um V30 achei que daria conta do recado.

    Obrigado pela ajuda!!! Abs
     
    jfonseca curtiu isso.
  5. jfonseca

    jfonseca Veterano

    Registro:
    1/2/07
    Mensagens:
    1,192
    Likes Recebidos:
    67
    Pontos:
    48
    Cidade:
    Brasília
    Site:
    Você não tem como microfonar esse amp? A banda tem um PA?
     
  6. leo.medeirosg

    leo.medeirosg Forista Novato

    Registro:
    11/4/13
    Mensagens:
    19
    Likes Recebidos:
    3
    Pontos:
    3
    Sim, dá pra microfonar, sem problemas. Vc acha que é suficiente? E o som do palco?
    Em estúdio usei no volume 6 (de 10).
     
  7. jfonseca

    jfonseca Veterano

    Registro:
    1/2/07
    Mensagens:
    1,192
    Likes Recebidos:
    67
    Pontos:
    48
    Cidade:
    Brasília
    Site:
    É o setup mais usado quando o amp é pequeno mas se quer ter aquele timbre ao vivo. Você pode modelar o timbre como quiser sem preocupar com o volume, deixando a sonorização e ajustes por conta da mesa. Quando fala som do palco a que se refere? Retorno? Ou interferência dos demais instrumentos no mic?
     
  8. leo.medeirosg

    leo.medeirosg Forista Novato

    Registro:
    11/4/13
    Mensagens:
    19
    Likes Recebidos:
    3
    Pontos:
    3
    Entendi.... Na vdd não tenho experiência em microfonar. Sei apenas que o que o público ouve, num caso de show grande, é apenas o que sai do mic mesmo, regulado pela mesa. E o retornos podem até ser individuais, e tal.
    Mas num show pequeno, tipo em uma festa, comemoração, etc (que é nosso caso), o som que o publico ouve é grande parte o que sai do amp mesmo (mesmo microfonando pra quem está la atras), e o retorno que nós da banda escutamos é o som dele mesmo ali. E é esse meu receio, da ambiência de uma festa engolir o som do amp. Por isso imaginei que liga-lo em 2x12 resolveria este problema.
    Pela experiência de vcs, é uma preocupação que não procede?

    Sobre o boost, fiz uns testes, equacionando o drive/volume, e acho que dá pra chegar numa regulagem que consiga uma folga para o boost funcionar. De quer forma, a redução do ganho tem que ter...
     
  9. jfonseca

    jfonseca Veterano

    Registro:
    1/2/07
    Mensagens:
    1,192
    Likes Recebidos:
    67
    Pontos:
    48
    Cidade:
    Brasília
    Site:
    Em um lugar pequeno você tem a vantagem de não haver delay entre o amp, o PA e o público. Se regular bem, o público não saberá que há parte proveniente do amp e parte do PA. Sim, nesse setup o próprio amp é o seu retorno, normalmente fica atrás do guitarra. Mas o volume mesmo será dado pela mesa.

    Dá para aumentar bastante o headroom do primeiro estágio de ganho aumentando o resistor de catodo(pino 3 ou 8 da primeira 12AX7). Mas isso diminuirá o ganho e perderá aquele boost de JCM800 que o Slash tanto popularizou.

    Procurei o esquema desse amp e não encontrei, mas aqui tem umas fotos interiores bem legais.
     
  10. Matec

    Matec Veterano

    Registro:
    10/7/15
    Mensagens:
    245
    Likes Recebidos:
    68
    Pontos:
    28
    Cidade:
    São Paulo
    jfonseca curtiu isso.

Compartilhe esta Página