Referências

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 5410 Instalações elétricas de baixa tensão. Editora ABNT, 2004. Segunda edição, versão corrigida de 17/03/2008. ISBN-13: 9788507005629

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 14039 Instalações elétricas de média tensão 1 kV a 36,2 kV. Editora ABNT, 2005.

CLAPTON, Eric. Vox Amplifiers. http://www.voxamps.com/toneroom/browse/artist/eric%20clapton/ Acessado 2012-12-08

DUNCANAMPS. Tone Stack Calculator. Software. http://www.duncanamps.com/tsc/ Acessado 2012-12-05
BACON, Tony et al. 2000 Guitars – The ultimate collection. Editora Thunder Bay Press, 2009. ISBN 1607100126

BALMER, Paul. The Fender Stratocaster Handbook: How to Buy, Maintain, Set Up, Troubleshoot, and Modify Your Strat. Editora MBI Publishing Company, 2007

ISBN 0760329834

BLENCOWE, Merlin. Designing tube preamps for guitar and bass. Editoria independente, 2009. ISBN 9780956154507

BLENCOWE, Merlin. Designing power supplies for tube amplifiers. Editoria independente, 2010. ISBN 9780956154514

BROSNAC, Donald. An Introduction to Scientific Guitar Design. Editora The Bold Strummer, 1978. Segunda impressão, 1996. ISBN 093322401X

CLAYTON, G B. Operational Amplifiers. Editora Newnes, 2003. ISBN 0750659149

COPELAND, B. JACK, Alan Turing’s Automatic Computing Engine, Oxford University Press, 2005. ISBN 0198565933

DAVIS, Edward Arthur et al. J.J. Thompson And The Discovery Of The Electron. Editora CRC Press, 1997. ISBN 0748406964

DE FOREST, LEE, US Patents Office, Patente nr. 879532, 1908

DERUTY, Emmanuel. How we hear pitch. Revista Sound on Sound, Abril 2011. http://www.soundonsound.com/sos/apr11/articles/perception.htm Acessado 2012-11-30

DEZETTEL, Louis M. Electronics for the Amateur. Editora Editors & Engineers Ltd, 1970. Library of Congress Nr. 75-120474

DOYLE, Michael. The History of Marshall: The Illustrated Story of “the Sound of Rock”. Editora Hal Leonard Corporation, 1993. ISBN 0793525098

EVEREST, F. Alton. Master Handbook of Acoustics. Editora McGraw Hill, 2001. ISBN 0071360972

FLANAGAN, William M. Handbook of Transformer Design and Applications. Editora McGraw-Hill, 1992. Segunda edição. ISBN 0070212910

FLIEGLER, Ritchie. Amps!: The Other Half of Rock ‘n’ Roll. Editora Hal Leonard Corporation, 1993 ISBN 0793524113

GPO. U.S. Geological Survey professional paper, Issue 229. Editora University of Michigan.

GIBBONS, Billy. WIKIPEDIA.ORG http://en.wikipedia.org/wiki/Billy_Gibbons Acessado 2012-12-08

GLINSKY, Albert. Theremin: Ether Music and Espionage. Editora University of Illinois Press, 2000. ISBN 0252025822.

GODFREY, Donald. Historical Dictionary of American Radio. Editora Greenwood Publishing Group, 1998. ISBN 0313296367

HOOD, John Linsley. Valve and Transistor Audio Amplifiers. Editora Newnes, 1997. Terceira impressão (2003). ISBN 0750633565

HOROWITZ, Paul. HILL, Winfield. The art of electronics. Segunda edição. Editora Cambridge University Press, 1980. Décima-terceira impressão. ISBN 0521370957

HERZHAFT, Gérard. Encyclopedia of the Blues. 2a Parte. Editora Universidade do Arkansas, Estados Unidos, 1997. ISBN 1557284520

HUIJSING, Johan. Operational Amplifiers: Theory and Design. Springer, 2011. ISBN 9400705964

HUNTER, Dave. Amped – The illustrated history of the world’s greatest amplifiers. Editora Voyageur Press, 2012. ISBN-13 9780760339725

HUURDEMAN, Anton. The Worldwide History of Telecommunications. Editora John Wiley & Sons, 2003. ISBN 0471205052

INGRAM, Adrian. The Gibson L5: Its History and Its Players. Editora Centerstream Publications, 1997 ISBN 1574240471

JONES, Morgan. Building valve amplifiers. Editora Newnes, 2004. Terceira impressão. ISBN 0750656956

JONES, Morgan. Valve amplifiers. Terceira edição. Editora Newnes, 2006. Segunda impressão. ISBN 0750656948

JUNG, Walt. Op Amp Applications Handbook. Editora Newnes, 2004. ISBN 0750678445

KIPLINGER’S PERSONAL FINANCE, Volume 59. Revista. Editora Kiplinger Washington Editors, Incorporated, 2005.

KUEHNEL, Richard. Circuit Analysis of a Legendary Tube Amplifier: The Fender Bassman 5F6-A. Segunda edição. Segunda impressão. ISBN 0976982218

LUDWIG, George. The First Transistors in Space . http://semiconductormuseum.com/Transistors/LectureHall/Ludwig/Ludwig_Page5.htm Acessado 2012-11-25

MARCUS, William et al. Profitable Radio Troubleshooting – A professional guide to the technical and business methods of operating a ratio-tv service business. Editora

MCCALL, Michael. Organizador. The Encyclopedia of Country Music. Editora Oxford University Press, 2012. ISBN 0199920834

MARTIN JR, Thomas L. Electronic Circuits. Editora Prentice Hall, 1955.

MTE, Ministério do Trabalho e Emprego. NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE. Diário Oficial da União, 06/07/1978. Última revisão em 08/09/2004.

MORRIS, Peter Robin. History of the World Semiconductor Industry. Editora IET, 1990. ISBN 0863412270

NAVY, US Personnel. Funcionários da Marinha dos Estados Unidos. Basic Electronics. Título original: Basic Electronics Volume I. Editora Dover Publications Inc, 1973. ISBN 0486210766

O’CONNOR, Kevin. The Ultimate Tone Volume 1, Modifying and Custom Building Tube Guitar Amps. Editora Power Press Publishing, 1995. ISBN 0969860803

O’CONNOR, Kevin. The Ultimate Tone Volume 2, Systems Approach to Stage Sound Nirvana. Editora Power Press Publishing, 1997. ISBN 0969860838

O’CONNOR, Kevin. The Ultimate Tone Volume 3, Generations of Tone. Editora Power Press Publishing, 2002. ISBN 0969860889

O’CONNOR, Kevin. The Ultimate Tone Volume 4, Adavanced Methods for Modern Guitar Amp Design. Editora Power Press Publishing, 2006. ISBN 096986080X

O’CONNOR, Kevin. The Ultimate Tone Volume 5, Tone Capture. Editora Power Press Publishing, 2004. ISBN 0969860897

ORSINI, LQ. Curso de circuitos elétricos. Editora Edgard Blücher, 2002. Segunda edição.

OWSINSKI, Bobby. Recording Engineer Bk. Editora Hal Leonard Corporation, 2004 ISBN 1932929002

PEASE, Robert Al. Troubleshooting analog circuits. Editora Newnes, 1991.ISBN 0750694998

PEAVEY. 6505 212 Combo. http://www.peavey.com/6505/ Acessado 2012-12-02

PENFOLD, R.A. Operational Amplifier User’s Handbook. Editora Bernard Babani, 1994. ISBN 0859343359

PITTMAN, Aspen. The Tube Amp Book – Deluxe Revised Edition. Editora Backbeat, 2003. ISBN 0879307676

RCA. Receiving Tube Manual RC-30. Editora RCA, Agosto de 1975.

REID-PAUL, Theresa. Radiologic Technology at a Glance. Editora Cengage Learning, 2011. ISBN 1435454057

RIC, Rickenbacker International Corporation. http://www.rickenbacker.com/history_early.asp Acessado em 2012-11-22

RUYMAR, Lorene. The Hawaiian Steel Guitar and Its Great Hawaiian Musicians:

Origin of the Steel Guitar. Editora Centerstream Publications, 1996. ISBN 1574240218

SHRADER, Robert L. Electronic Communication. Editora McGraw-Hill, 1975. ISBN 0070571384

SLONE, Randy. High-power audio amplifier construction manual. Editora McGraw-Hill, 1999. ISBN 0071341196

SMITH, Richard R. Rickenbacker: The History of the Rickenbacker Guitar. Centerstream Publications, 1987. ISBN 0931759153

TALEVSKI, Nick. Knocking on Heaven’s Door: Rock Obituaries. Editora Omnibus Press, 2006. ISBN 1846090911

TEAGLE, John. Fender Amps – The first fifty years. Editora Hal Leonard, 1995. ISBN 0793537339

LOOMIS, Mahlon. Patente nr. US129971. Escritorio de Patentes dos Estados Unidos, 1872.

WEBER, Gerald. A desktop reference of hip vintage guitar amps. Editora Kendrick Books, 1994. ISBN 0964106000

WEBER, Gerald. Tube guitar amplifier essentials. Editora Kendrick Books, 2004. ISBN 0964106000

WEBER, Gerald. Tube amp talk for the guitarist and tech. Editora Kendrick Books, 1997. ISBN 0964106019

WEBER, Gerald. All about vacuum tube guitar amplifiers. Editora Kendrick Books, 2009. ISBN-13: 9780964106031

WEISSENBACHER, Manfred. Sources of Power: How Energy Forges Human History. Editora ABC-CLIO, 2009. ISBN-13: 9780313356261

WHEELER, Tom. The soul of tone – Celebrating 60 years of Fender amps. Editora Hal Leonard, 2007. ISBN 0634056131

WHITE, Forrest. Fender: The Inside Story. Editora Backbeat Books, 1994. ISBN 0879303093

WHITAKER, Jerry C. Power Vacuum Tubes Handbook. Editora CRC, 1999. Segunda Edição ISBN 0849313457

WIKIPEDIA. Trêmolo. http://en.wikipedia.org/wiki/Tremolo Acessado 2012-11-30

WIKIPEDIA. Jean Baptiste Perrin. http://en.wikipedia.org/wiki/Jean_Baptiste_Perrin 2012-12-19

WILLIAMS, Sam. CHARACTERISTICS OF TEN TROPICAL HARDWOODS FROM CERTIFIED FORESTS IN BOLIVIA. USDA Forest Service, 2000.

ZHOU, Shu-Ang. Electrodynamics of Solids and Microwave Superconductivity. Editora John Wiley & Sons, 1999. ISBN 0471354406

Cronologia da Fender

A Fender é, sem dúvida, a mais inovadora e historicamente relevante fabricante de amplificadores para guitarra. Destacamos aqui alguns dos principais acontecimentos na história da empresa.

1909

  • Nasce Leo Fender

1938

  • Leo Fender funda a Fender’s Radio Service: assistência técnica para rádios.

1945

  • Leo Fender e Doc Kauffman fundam a K&F (Kauffman & Fender)
  • Amplificadores K&F com falantes de 8” e 10” são produzidos a mão.

1946

  • Kauffman deixa a empresa e Leo Fender renomeia seu negócio como Fender Electric Instrument Co.
  • Lançada a série em madeira, sem revestimento, conhecidos por “Woodies”:
  • Lançado o Princeton com um falante de 8”
  • Lançado o Deluxe com um falante de 10”
  • Lançado o Professional com um falante de 15”

1947

  • Criado o novo estilo Tweed de gabinetes
  • Lançado o Dual Professional em Tweed
  • Lançado o Champion 800 em revestimento distinto do resto das séries

1949

  • O Champion 600 substitui o Champion 800
  • A Fender inicia testes com protótipos do Bassman e do Pro Amp

1953

  • O Twin Amp com dois falantes de 12” é lançado
  • O novo visual frontal é lançado, abandonando o visual “Televisão” com moldura arredondada

1954

  • No fim do ano o Bassman deixa de ter apenas um controle de Timbre e passa a ter controles de Graves e Agudos

1955

  • O Bassman deixa de ter um falante de 15”e passa a ter 4 x 10”
  • O Bandmaster passa de um falante de 15” para 3 x 10”
  • Surgem os primeiros amplificadores Fender com efeito trêmolo

1957

  • O Bassman ganha controle de Médios, além dos já existentes Graves e Agudos

1958

  • O Twin passa a utilizar 4 válvulas 5881 no estágio de potência, passando a ter entre 80 e 100 Watts RMS
  • Lançado o Bassman baseado no circuito 5F6

1959

  • Lançado o Vibrasonic, primeiro amplificador Fender coberto com Tolex ao invés de Tweed
  • Painéis passam a ser pintados em marrom escuro com letras brancas
  • Lançado o Concert com 4 falantes de 10”
  • Lançado o circuito 5F6-A do Bassman ‘59 que se tornará o amplificador mais cultuado da Fender

1960

  • Todos os Professional passam a ter o visual do Vibrasonic, entre eles
  • O Super com 2 falantes de 10”
  • O Bandmaster com 3 falantes de 10”
  • O Pro com um falante de 15”
  • O Twin com dois falantes de 12”
  • O Champ, Princeton, Harvard, Vibrolux, Deluxe e Tremolux continuam sendo produzidos em acabamento Tweed
  • Em Dezembro de 1960 o Showman é lançado em cabeçote separado das caixas, em Tolex branco, knobs brancos e painel marrom claro, que seria imitado nos anos 1990 nos modelos Fender Custom Shop

1961

  • O Twin é convertido para cabeçote e caixa separados, presos através de travas (sistema “piggyback”)
  • O Bassman de 4×10” é transformado em cabeçote, e deixa de ser Tweed. Passa a ter uma caixa com um falante de 12”
  • O Tremolux passa a ser cabeçote e preso em sistema semalhante a uma caixa com um falante de 10” invés de um falante de 12”
  • O Champ passa a ser coberto com Tolex marrom ao invés de Tweed

1962

  • O tecido ortofônico marrom é substituído por bege

1963

  • Primeiro amplificador com reverb interno é anunciado, o Vibroverb
  • O Twin passa a ter reverb, nasce o Twin Reverb
  • Nasce o visual “Blackface” com knobs pretos e números encontrados diretamente nos knobs ao invés de estarem indicados no painel.
  • O logotipo passa a ser prateado e elevado, na parte superior esquerda dos amplificadores

1964

  • A CBS compra a empresa de Leo Fender por U$ 13 milhões

1965

  • As plaquetas dos amplificadores passam a ter “Fender Musical Instruments” ao invés de “Fender Electric Instruments”, marcando assim os amplificadores da era CBS
  • Leo Fender passa a trabalhar apenas no laboratório da empresa

1966

  • Lançados modelos estado sólido (utilizando transistores no lugar de válvulas)

1968

  • Oito dos 10 modelos da linha valvulada já possui equivalentes transistorizados
  • A linha valvulada passa a ser produzida com painel em alumínio iniciando o visual “Silverface”

1969

  • O Bassman e o Super Showman passam a ser transistorizados
  • Poucas mudanças ocorrem até 1981 exceto nos preços que foram aumentados consideravelmente

1970

  • A Fender eleva muito o preço de seus amplificadores, causando insatisfação entre músicos
  • Leo Fender deixa definitivamente a empresa devido a problemas de saúde

1971 a 1981

  • A CBS promove um período com poucas inovações, marcado pela insatisfação entre músicos e rápido declinio do nome Fender

1982

  • A linha Blackface é ressuscitada com algumas modificações estéticas na linha do passado
  • Paul Rivera lança a linha “II” de amplificadores, sem trêmolo e permitindo alterância de canais. São os últimos amplificadores da era CBS.

1984

  • A Fender importa sua linha Sidekick do Japão

1985

  • A Fender é comprada por investidores e antigos colaboradores por U$ 12.5 milhões
  • Nasce a Fender Musical Instruments Corporation – FMIC
  • A nova empresa não possui fábrica nos Estados Unidos e depende de importações

1986

  • Uma nova fábrica em Oregon volta a produzir os Champ 12, The Twin e Dual Showman
  • Os knobs de controle passam a ser vermelhos

1988

  • O Super 60 é lançado

1989

  • Uma nova série de transistorizados de 50 a 160 Watts é lançada com mesmo visual dos valvulados

1990

  • Nasce a série de reedições de antigos clássicos. São lançados o Bassman 1959 Reissue e 1963 Vibroverb Reissue

1991

  • Lançado o 1965 Twin Reverb Reissue

1993

  • Criada a linha Custom Amp Shop de amplificadores, série de amplificadores Fender feitos a mão em uma fábrica dedicada da empresa.

1994

  • Lançado o 1965 Deluxe Reverb Reissue

Atualidade

A marca Fender continua a ser sinônimo de Blues e Rock ‘n Roll. Na atualidade a empresa oferece amplificadores transistorizados, alguns dos quais embarcam circuitos digitais e processadores de efeitos(Princeton 650, por exemplo) mas também possui linhas de “reissues”, usando circuitos clássicos totalmente valvulados, como o pequeno Champ 600, um dos primeiros produtos da empresa.

Alguns dos amps Fender mais cultuados são oriundos do Fender Custom Shop: construídos a mão por técnicos experientes que se responsabilizam por cada unidade. São amplificadores de maior valor de mercado e também possuem construção de primeira.

Formatos de Amplificadores

Cabeçote

No sistema de cabeçote, o chassi é contido em gabinete separado das caixas acústicas. Apesar de diferenças estéticas, este é o sistema mais comum para amplificadores caseiros, encontrado em aparelhos de som domésticos e automotivos.

Apesar de apresentar certa dificuldade para transporte e montagem, o sistema de cabeçote e caixas (pilhas ou stacks) é o mais adequado para amplificadores valvulados.

Válvulas, diferente de transistores, possuem partes mecânicas que são fixadas umas às outras através de solda ou meras dobras e vincos que mantém a pressão entre elas. As partes não soldáveis como os isolantes de mica e a própria passagem dos pinos metálicos pela base de vidro são as mais vulneráveis às vibrações e constantes movimentos bruscos a que se sujeita um típico amplificador.

Ao estudar a estrutura interna das válvulas de potência mais comuns nos amplificadores para guitarra (EL34,KT88,6L6 e família) notamos que há uma minúscula distância entre o catodo e a grade de controle. Há também um pequeno espaço entre a grade de controle e a grade de screen, a qual se encontra em alto potencial. Após fortes pancadas durante frequentes transportes a shows e ensaios, é comum ocorrer o centelhamento entre catodo, grade de controle e screen, exigindo trocas frequentes de válvulas.

Ao construir um gabinete separado para os alto-falantes e para o chassi do amplifiador, prolonga-se a vida útil das válvulas, evita-se a microfonia e outros problemas oriundos da vibração intensa no interior da caixa acústica.

Combo

Esse é o formato mais comum em amplificadores para guitarra, onde o amplificador e a caixa acústica com os alto-falantes dividem o mesmo espaço. Também chamado popularmente de “cubo”.

As contraindicações do formato combo para valvulados foram discutidas na seção de cabeçotes, portanto falaremos aqui das vantagens desse sistema: facilidade no manuseio e a possibilidade de carregar pedais, cabos e outros equipamentos no interior do “cubo”.

Os cubos são populares especialmente entre músicos profissionais individuais com programação noturna diária, levando em conta o trabalho que deve ser realizado por ele mesmo ao montar e desmontar o palco antes e depois de cada evento.

Apesar de aumentar a quantidade de falhas em válvulas, e de ser mais propenso à microfonia entre válvulas / alto-falantes, o formato cubo ainda é o mais utilizado, e alguns dos amplificadores mais conceituados da história possuem esta configuração.

Alguns modelos clássicos podem ser encontrados nos dois formatos: cubo e cabeçote, a exemplo da família Fender Bassman.

Como Interpretar Datasheets

Todos os dados relevantes ao funcionamento das válvulas encontram-se detalhados em “datasheets”, ou planilhas de dados técnicos.

Diversas características técnicas das válvulas interferem diretamente em sua aplicação nos amplificadores valvulados. Conforme notamos no decorrer desse texto, os critérios aplicados na amplificação para guitarra são distintos daqueles usados para amplificação de alta fidelidade. Por isso, muitas vezes as sugestões de aplicação das válvulas encontradas nas datasheets podem não propiciar bons resultados para guitarra.

Pinagem

O primeiro dado a ser observado é a pinagem da válvula. A configuração dos pinos determina como esta será ligada ao resto do circuito. Devemos observar aqui a possibilidade de existir uma conexão na parte superior da válvula, normalmente denominada “top cap” ou “end cap”, que é um terminal localizado fora da base (na lateral ou parte superior do envólucro). Os pinos são ilustrados conforme os veríamos observando a válvula em sua parte inferior. Porém a ordem dos pinos é espelhada ao observarmos os mesmos em um diagrama de placa de circuito impresso e ao examinarmos o soquete de válvula pela parte superior. Este detalhe é fonte de dúvidas por técnicos novatos, e pode acarretar em erros ao usarmos programas de desenhos de placa de circuito. Assim, devemos estar atentos ao fato do número dos pinos crescer em sentido horário quando observados na base da válvula, e decrescem no mesmo sentido observando-se a parte superior do soquete ou PCI.

A terminologia mais comum usada na denominação dos pinos é a seguinte:

Português

Inglês

Catodo

Cathode ou K.

Quando diretamente aquecido: Heaters ou F

Anodo

Ânode, Plate ou A

Grade 1

G1, Control Grid ou apenas Grid

Grade 2

G2, Screen Grid ou apenas Screen

Grade 3

G3, Suppressor Grid ou apenas Suppressor

Blindagem interna

Internal shield, apenas Shield ou S

Calefação (Quando indireta)

Heaters ou F

Eletrodo superior

End Cap, Top Cap ou de acordo com a função do pino, normalmente sendo o anodo

Base Metálica

Metal Base, Base: Válvulas podem possuir conexão interna no anel metálico de sua base.

Parâmetros Estáticos

Certos parâmetros de funcionamento da válvula não se alteram durante sua operação, e costumam ser apresentados no início da datasheet. São eles:

  • Tensão e corrente de calefação (Vf e If respectivamente)
  • Capacitâncias internas (Especificadas caso a caso)
  • Diâmetro e altura física do envólucro e tipo (vidro, metal, etc)

Limites de Operação

Conforme o nome sugere, os parâmetros especificados na seção de limites são aqueles que nos permitem obter o máximo desempenho da válvula segundo padrões de segurança e estabilidade estabelecidos pelo fabricante. Deve-se levar em consideração que muitas datasheets foram publicadas várias décadas atrás, e que as válvulas de produção atual podem ter limites distintos daqueles especificados – tanto superiores quanto inferiores. Dizemos que os dados contidos nas datasheets são “nominais” e aquele observamos na prática são “operacionais” ou “valores de fato”.

É inviável documentar todas as possibilidades de variações entre marcas de produção atual e aquelas do passado. Assim, exige-se experiência e bom senso do construtor para conhecer os limites das válvulas disponíveis na atualidade. Os valores indicados nessa seção devem ser considerados apenas como referência.

Termo em Inglês

Significado em Português

DC Plate Voltage, Va ou Vp

Tensão DC máxima de placa. Maior tensão que pode ser aplicada ao anodo para uso contínuo sem que ocorra centelhamento interno.

Peak Plate Voltage

Maior tensão transiente que pode ser aplicada ao anodo sem que ocorra centelhamento. Normalmente esta tensão é suportada por apenas alguns milisegundos.

Screen Voltage ou G2 Voltage

Tensão máxima que pode ser aplicada à grade screen, ou G2. Quando exagerada, esta tensão causa centelhamento e destruição precoce da válvula.

Peak Negative G1 ou Grid Voltage

A tensão mais negativa que pode ser aplicada à grade de controle sem que o isolamento para o catodo seja comprometido. A grade 1 encontra-se fisicamente muito próxima do catodo, portanto esta tensão deve ser observada atenciosamente.

Plate Dissipation, Maximum Power ou Power Dissipation

Esta é a potência de fato da válvula. É a potência máxima que a placa ou anodo é capaz de sustentar sem ocorrer sua destruição.

Screen Dissipation

A grade 2, ou screen, possui alguma dissipação de potência. Este dado nos diz o máximo de potência que esta grade é capaz de suportar continuamente.

Cathode Current ou Ik

Maior corrente que o catodo é capaz de suportar continuamente. A corrente de catodo é a soma de todas as outras correntes da válvula, ou seja, em um tetrodo ou pentodo é a corrente de placa + corrente de screen + eventual corrente de vazamento de grade (desprezível em condições normais).

Peak Cathode Current

Maior corrente transiente que o catodo é capaz de suportar. Este nível de corrente é suportável por apenas alguns milisegundos.

Heater-Cathode Voltage

Devido à proximidade entre os filamentos de calefação e o catodo indiretamente aquecido, deve-se observar esta tensão máxima entre eles buscando evitar centelhamento. Não confundir com a tensão negativa máxima de G1 para o Catodo, ambos componentes localizados muito próximos do mesmo.

G1 Resistance

Mesmo que a grade encontre-se fisicamente isolada do catodo (impedância praticamente infinita), durante o funcionamento da válvula, este eletrodo pode conduzir alguma corrente DC de/para a nuvem termiônica. Essa minúscula corrente é aferida através de um resistor, obtendo-se um valor em OHMs de resistência equivalente, segundo V = R * I. Essa medida de resistência é considerada a impedância máxima de entrada da válvula (sendo necessariamente reduzida pela fonte de polarização, seja bias fixo ou resistivo). Lembrando que para fins práticos, podemos considerar a grade como sendo isolada dos demais eletrodos. Esta pode ser considerada uma impedância infinita na maioria dos amplificadores para guitarra.

OBS: Os níveis de corrente e tensão máximas especificados nominalmente raramente são suportados simultâneamente. Esse fato pode ser verificado ao multiplicarmos a tensão máxima pela corrente máxima de placa, onde normalmente obteremos um valor superior à dissipação máxima da válvula.

Porém devemos ressaltar que um dos componentes da “receita” de Leo Fender era utilizar as válvulas em circuitos com tensões e correntes acima do limite especificado nas datasheets. Como exemplo dessa prática destacamos o amplificador Deluxe Reverb AB763 de 1964/1965 onde a tensão +B de placa da válvula 6V6GT é 415 VDC e a tensão máxima especificada para válvulas 6V6GT de fabricação da G.E era de 315 VDC.

Parâmetros Operacionais Sugeridos

São parâmetros sugeridos para uso contínuo em determinada aplicação. Esses dados normalmente são distintos daqueles encontrados em amplificadores para guitarra, pelos motivos discutidos ao início dessa seção: amplificadores “caseiros” ou de alta fidelidade buscam operação linear de 20 Hz a 20 KHz, evitando-se ao máximo a distorção, o que não ocorre em nosso caso. Os termos utilizados são os mesmos dos valores limítrofes, porém os seguintes termos adicionais podem surgir:

Termo em Inglês

Português

Plate Resistance, rp ou ra

O valor da resistência equivalente da placa ou anodo sob as condições iniciais. Pode ser aferida em DC ou AC, fato que será discriminado na datasheet. Caso não especifice, entenda-se resistência DC. Não se trata do resistor de carga (R maiúsculo) e sim da resistência equivalente que a válvula oferece à passagem de corrente de placa. Dada uma tensão de placa, obtemos uma corrente de placa na configuração de circuito em questão. Empregando a Lei de Ohm (V=RI) obtemos uma resistência equivalente. A letra r minúscula a diferencia da resistência de carga R.

Transconductance

A transcondutância nas condições iniciais (quiescentes) da válvula. A transcondutância é a variação da corrente de placa dividida pela variação na tensão de G1, ou grade de controle e depende da polarização de grade, portanto é um dado dinâmico.

Zero Signal Current, Quiescent Current

Corrente quiescente, ou a corrente quando não há sinais sendo amplificados. Dada uma configuração inicial de circuito, obteremos uma certa corrente quiescente. Esta corrente é perdida na amplificação, pois não transfere sinal para o estágio seguinte.

Load Resistance, Ra ou Rp quando resistores ou Zp ou Za quando a carga é indutiva (transformador de saída ou de acoplamento).

O valor do resistor de carga ou da impedância da carga quando indutiva. Em estágios de pré-amplificador, por exemplo, válvulas 12AX7 costumam trabalhar com valores entre 56K a 330K. Válvulas EF86 podem empregar uma faixa mais ampla de resistência, de 100K a 1M. Nas válvulas de saída trata-se da impedância do primário (Zp) do transformador de saída aferida com onda senóide de 1 KHz, e pode ser expressa em seu valor placa-a-placa (P-P) ou de terminação simples (single ended). Para amplificadores de até 50 Watts e de alto ganho, usando 6L6GC, valores cerca de 4000 OHMs P-P são comuns, por exemplo. Em amps single ended usando duas EL84, encontram-se entre 6900 a 10000 OHMs de Zp

THD ou Total Harmonic Distortion

Distorção harmônica total. Esta é a medida mais importante para amplificadores de alta fidelidade. Porém em amplificadores para guitarra praticamente ignoramos este dado, ou utilizamos apenas como referência. A THD é obtida efetuando injeção de uma onda senoidal (0% de conteudo harmônico) na entrada. É feita a aferição do conteudo harmônico total no sinal que chega aos conectores dos alto-falantes. A soma da amplitude do conteúdo harmônico existente na saída em relação à amplitude da portadora senoidal é a medida de THD. Para realizar a aferição deve ser utilizado um equipamento capaz de analizar o conteúdo harmônico de sinais, como um analisador de espectro.

Maximum Power Out ou apenas Power

Potência de sinal na saída do estágio. É o que normalmente nos referimos apenas como sendo a potência da válvula. Quando não especificada, deve-se pressupor ser a potência de pico, ou PMPO (multiplicação vetorial de tensão de pico e corrente de pico suportada). Caso se trate de potência RMS, esta informação constará na datasheet.

Screen Dissipation

Dissipação continua da grade 2 ou screen. Assim como a placa, a G2 possui corrente quiescente e dissipará alguma potência durante o funcionamento da válvula.

Screen Current

Nível de corrente sugerido para o funcionamento da grade screen, ou G2. Em conjunto com a dissipação de potência d G2 obtemos o parâmetro de funcionamento.

Curvas de Transferência

Os gráficos das curvas de transferência da válvula ilustram seu comportamento dinâmico mediante alterações nos níveis de tensão de placa, grade de controle ou grade screen. Chamamos de curvas de transferência pois é segundo esse padrão que o sinal de entrada é “transferido” para a saída. O fato de serem curvas, e não retas perfeitas, nos diz que sempre haverá alguma distorção inserida no processo de amplificação.

Nos amplificadores para guitarra, duas curvas são especialmente importantes: a curva que nos informa o comportamento da placa em função da tensão a ela aplicada, mantendo-se constantes as demais tensões, e as curvas de transferência de acordo com a variação na tensão de grade de controle, mantendo-se fixas as demais voltagens. A primeira família de curvas nos diz qual será o comportamento da placa de acordo com a carga aplicada. E as curvas de transferência de G1 nos dá o comportamento da placa mediante alterações no sinal de entrada.

Curva de Tensão x Corrente de Anodo

Usamos essa família de curvas para compreendermos o comportamento do anodo da válvula mantendo-se constantes as tensões de catodo (Vk), G2 (Vg2) e G1 (Vg1).

O Show deve Continuar!

Após construir seu próprio amplificador, efetuar modificações no mesmo será uma atividade muito fácil e divertida. A possibilidade de “afinar” o amplificador precisamente para seu gosto pessoal é um dos maiores incentivos a construirmos nossos próprios valvulados.

Seguem algumas idéias de modificações que podem ser efetuadas, visando a experimentação:

  • Alterar o valor do resistor de catodo da válvula de potência. Não deve ser diminuido abaixo de 330 OHMs no caso de uma 6V6, no entanto, ao aumentá-lo, estaremos aumentando a tensão de polarização.
  • Experimente remover o capacitor de catodo da válvula 6V6 e observe a diferença. Este capacitor gera uma referência de terra AC para o catodo da válvula, removendo o feedback negativo. Ao removê-lo deve-se notar maior compressão de áudio e menos distorção.
  • Altere o valor dos capacitores acopladores. Aumentando deverá obter um timbre mais grave, reduzindo-os deve obter um timbre mais agudo. Teste valores bem distintos para observar a diferença.
  • Substitua a válvula retificadora 5Y3 por dois diodos de silício e ouça cuidadosamente o timbre resultante. Devemos notar menor compressão e maior “dureza” do amplificador.
  • Experimente adicionar capacitores em paralelo com os resistores de catodo das válvulas 12AX7. Deve-se notar um grande aumento de ganho.
  • Reduza ou aumente os valores dos resistores de catodo das válvulas 12AX7 – ao reduzí-los aumenta-se o ganho, porém é reduzido o espaço de trabalho antes de ocorrer a clipagem de grade. Aumente este valor e verifique o efeito: aumenta-se o headroom (espaço de trabalho sem clipagem), porém o ganho é reduzido.

Alto-falantes distintos podem alterar completamente o timbre de seu amplificador.Recordo-me de haver testado um amplificador que havia recém construído em um alto-falante de baixa qualidade – fiquei extremamente decepcionado com seu timbre. No entanto ao testá-lo em uma caixa equipada com um Celestion Vintage 30, o amplificador ganhou vida nova. Conforme falamos anteriormente, o alto-falante dá a palavra final no timbre!

Experimente diversas válvulas distintas. O leitor notará que as diversas marcas possuem assinaturas próprias. As válvulas Sovtek 5881 são praticamente indestrutíveis, mas possuem timbre “seco” e relativamente “duro”. As Genalex KT66 podem substituir algumas 6L6 e dar voz renovada a seu amplificador! Válvulas de pré-amplificação modelam o timbre do amplificador: experimente trocar as 12AX7 por 12AU7, 12AT7 e 12AY7. Efetue a troca por marcas distintas, que tal experimentar uma 12AX7 JAN Philips?

Experimente trocar o pré-amplificador por outro, isole o pré-amplificador e ligue um Tube Screamer TS-808 diretamente no estágio de potência valvulado. O que acontece? Construa seu próprio pedal valvulado, com um circuito distinto do seu pré-amplificador existente, e conecte-o diretamente na válvula inversora, como fica a resposta do amplificador?

Experimentando, o leitor descobrirá que as válvulas são extremamente sensíveis às alterações de componentes e que os timbres possíveis de se obter são praticamente infinitos. Por este motivo todos os amplificadores valvulados são distintos, são instrumentos únicos.

Modificar amplificadores valvulados faz parte da magia! Espero que leitor continue a experimentar e que possa usar as dicas que aqui compartilhamos para criar novos circuitos, e assim perpetuar o calor das válvulas.

Cada amplificador valvulado possui a sua assinatura, a qual agora você também sabe modelar de acordo com o timbre que sempre sonhou em obter.

O show deve continuar!

Testando a Montagem e Eliminando Problemas

Chegamos, enfim, ao emocionante momento de energizar nossa montagem pela primeira vez. No entanto, a paciência nos serviu bem até este ponto; não iremos nos precipitar no fim do trajeto.

Sempre que desejarmos testar um amplificador cujo funcionamento nos é desconhecido, seja para efetuar assistência técnica, ou testar determinada montagem pela primeira vez, devemos utilizar um limitador de corrente de alimentação.

O nome pode lhe soar complicado, porém o limitador pode ser apenas uma lâmpada de 60 a 100 Watts ligada em série com o equipamento. De fato, é esta a ferramenta que utilizo em meus testes. Caso o equipamento se encontre em curto-circuito total, a lâmpada acenderá e consumirá parte da potência que teria, de outra forma, causado dano a nosso equipamento. A lâmpada de 60 Watts limita a corrente a meros 270 mA quando alimentada por 220 VAC. Caso haja um problema no amplificador, boa parte da tensão será reduzida pela lâmpada. Como podemos ver, tensão reduzida e apenas 270mA de corrente podem salvar a vida de sua montagem recém concluida.

Enquanto que, na minha oficina este limitador foi carinhosamente apelidado de “a gambiarra”, esta ferramenta é tão útil que merece ter seu próprio gabinete e instalação definitiva. Caso pretenda trabalhar com outros amplificadores, o limitador de corrente oferecerá uma proteção adicional, principalmente para equipamentos de terceiros que se encontrem sob sua responsabilidade.

O secundário do transformador de saída deve encontrar-se sempre conectado a um alto-falante(ou uma carga qualquer da impedância correta). Jamais devemos ligar um amplificador valvulado sem alto-falantes conectados.

Tendo o limitador de corrente ligado em série com o amplificador, é chegada a hora de ligar o sistema!

A lâmpada indicadora do painel deve ser observada, bem como os filamentos das válvulas, principalmente da válvula de potência. O limitador de corrente ocasiona seu aquecimento mais lento, porém dentro de 5 a 10 segundos já deve ser visível o brilho avermelhado dos filamentos incandescentes. Nas válvulas 12AX7 este brilho é visível no topo da válvula, por onde o filamento é preso a um grampo que faz contato com o isolante de mica.

Caso as válvulas apresentem calefação, e a lâmpada do painel esteja acesa, devemos fixar a ponta de prova negativa do multímetro ao chassi de alguma maneira, para efetuarmos alguns testes iniciais, antes de arriscar um primeiro acorde na guitarra.

Primeiro, devemos abaixar totalmente o volume do amplificador. O primeiro teste que devemos efetuar é pressionar o terminal positivo do jack de entrada com a ponta de prova do multímetro com este na posição de voltagem DC. O terminal do jack deve ser pressionado de modo que seja separado da conexão do terra. A leitura encontrada deve ser próxima de zero. Este primeiro teste visa preservar o captador da guitarra pois, se houver algum erro de ligação e existir tensão DC neste local, pode se danificar o captador.

Tendo verificado que há 0 VDC no pólo positivo do jack de entrada, é hora de ligar a guitarra.

Se tudo tiver corrido bem, você ouvirá imediatamente o resultado de sua montagem! Caso contrário, será preciso continuar os testes já iniciados.

Durante todos os testes iniciais devemos observar cuidadosamente a válvula de potência. Caso apresente incandescência, devemos interromper a alimentação do amplificador imediatamente e verificar a tensão de polarização de bias, seja por meio da tensão de catodo ou de bias fixo, conforme discutido anteriormente. Alguns segundos de incandescência são capazes de causar danos irreversíveis à válvula de potência.

Mantendo o multímetro na posição de Voltagem DC, na escala de até 1000 Volts, mantenha uma das mãos no bolso, e efetue as seguintes medições de tensão DC (supondo a montagem do Champ 5F1):

  • No pino 3 da válvula 6V6 devem haver cerca de 350 VDC
  • No pino 4 da válvula 6V6 devem haver cerca de 300 a 350 VDC
  • No pino 8 da 6V6 devem haver cerca de 10 a 15 VDC
  • O pino 5 deve possuir 0 V e ao tocá-lo com a ponta de prova devemos ouvir ruído no alto-falante.

Caso não haja ruído no alto-falante ao tocar o pino 5 da 6V6, temos um problema no estágio de saída. Deve-se seguir o esquema completo: a tensão +B deve estar presente em uma das extremidades do primário do transformador e, ligeiramente mais baixa no pino 3 da válvula 6V6. A próxima etapa de nosso teste é verificar a tensão no pino 8, ou catodo da válvula. Havendo tensão de cerca de 10 a 15 VDC no catodo da válvula significa que o circuito +B -> anodo -> catodo está funcionando.

Devemos verificar, então, se há um resistor de polarização do pino 5 da válvula 6V6. O resistor deve possuir valor acima de 100K e deve ligar o pino 5 ao terra. No caso do Champ 5F1 o valor correto é de 220K OHMs. Caso este resistor se encontre conectado corretamente, devemos desligar o estágio anterior do pino 5 da válvula (mantendo o resistor de polarização) e tocar novamente o pino 5 com a ponta de prova do multímetro. Caso não tenhamos ruído no alto-falante, teremos isolado o problema ao transformador de saída, à ligação desse com o alto-falante ou à própria válvula de potência (em resumo, confinamos o problema ao estágio de saída).

O resistor de polarização de grade deve possuir acima de 100K OHMs. Um erro frequente é trocar valores de resistores, instalando no local um resistor de 100 OHMs ou 1K OHMs, fator que causaria atenuação quase total do sinal de áudio.

O teste que acabamos de realizar revela a estratégia que utilizo para isolar o problema de um amplificador sem áudio. O primeiro passo para resolução de defeitos em amplificadores é efetuar o isolamento da região do problema. Para tanto empregamos uma espécie de “algoritmo” que pode ser repetido em todas as etapas do circuito.

  1. Começando pelo estágio de potência, tocar na grade de controle das válvulas.
  2. Caso haja ruído no alto-falante, proceder à válvula anterior à válvula testada e reiniciar do passo 1.
  3. Caso não haja ruído no alto-falante, verifique o circuito vertical da válvula. Há tensão de placa? Há tensão de catodo (pressupondo existência de resistor de catodo)? Caso positivo, há corrente, então há circuito.
  4. Desconectar a válvula do estágio anterior. Tocar novamente o pino da grade.
  5. Há ruído no alto-falante? Caso negativo, teremos isolado o problema a esse estágio. Há problema na carga da válvula (resistor ou transformador) ou na própria válvula.
  6. Caso tenhamos ruído na saída, teremos determinado que o problema vem do estágio anterior. Verificamos então o capacitor de acoplamento. Está ruim? Caso positivo teremos encerrado esta etapa do algoritmo. Caso negativo, proceder à válvula anterior, voltando ao passo 1.

A estratégia descrita acima pode ser modificada, por exemplo, para implementar uma “busca binária” pelo problema. Ao invés de iniciar pela válvula de potência podemos iniciar pela válvula inversora, dividindo o amplificador ao meio. Assim determinamos se o problema se encontra no pré-amplificador ou no estágio de potência. Esta estratégia só será util caso haja ruído ao tocar nos pinos 2 e 7 (supondo modelo 12AX7) na válvula inversora, neste caso teremos isolado o problema ao pré-amplificador. Em caso de não haver sinal naquele ponto, iniciar a busca a partir do estágio de potência.

Devemos efetuar os mesmos testes no estágio pré-amplificador: há cerca de 1.5 VDC nos catodos (pinos 3 e 8) das 12AX7? Há zero volts nas grades (pinos 2 e 7)? Ao tocar nas grades ouve-se ruído no alto-falante? O funcionamento do estágio de potência que utiliza bias de catodo, sendo o caso do Champ 5F1, é idêntico ao dos estágios de pré-amplificação. Exceto que nossa carga de anodo é um transformador de saída ao invés de um resistor. Os testes são análogos!

Caso se trate de um circuito mais elaborado, um pré-amplificador complexo como aqueles encontrados em diversos Mesa Boogie, podemos subdividir as diversas partes do amplificador e proceder a um teste semelhante em cada etapa. O teste descrito nos servirá para determinar a causa da mudez completa do amplificador, no entanto podemos ter ruídos no alto-falante, o que exigirá testes qualitativos e não só quantitativos.

Em resumo:

  • Não havendo áudio, empregar o algorítmo descrito acima.
  • Havendo áudio, com qualidade ruim, verificar valores de componentes, resistores, capacitores, tensões equivocadas (há tensões de referência na maioria dos esquemas), e assim por diante.
  • Não encontrando erros de montagem, podem haver componentes defeituosos. Capacitores de acoplamento podem vazar corrente DC, o que deslocaria o ponto de funcionamento (polarização) das válvulas seguintes. Ao desligarmos o estágio anterior no algorítmo acima estamos, de fato, checando essa possibilidade.
  • Somente testar usando limitador de corrente de alimentação.
  • Somente testar com um alto-falante ligado ao transformador de saída.
  • Antes de ligar a guitarra, checar se há qualquer tensão DC no jack de entrada, visando protegê-la.
  • O transformador de saída deve trabalhar frio durante todos os testes utilizando limitador de corrente. O transformador de alimentação pode ficar levemente morno. Capacitores eletrolíticos devem estar sempre frios.
  • Nenhum teste no circuito deve ser realizado segurando-se a guitarra com uma das mãos, isto o coloca em referência direta com o terra do circuito.

Tendo tocado por algum tempo usando o limitador de corrente, e caso os transformadores e capacitores eletrolíticos se encontrem frios, ou seja, tudo aparente estar funcionando corretamente, é hora de retirar o limitador para poder desfrutar de toda a potência de seu novo amp!

Juntando Tudo: Montagem de Um Fender Champ

Neste capítulo final juntaremos tudo o que sabemos para construir um amplificador valvulado completo.

Não existe receita “correta” para a construção de bons amplificadores para guitarra; existem apenas diretrizes gerais que podem nos ajudar a evitar contratempos e a obter um bom resultado final.

Neste capítulo não irei optar por um circuito específico para montagem, a escolha fica a critério do leitor. No entanto, recomendo a montagem do Fender Champ, circuito 5F1.

Esse pequeno amplificador, fruto do trabalho pessoal de Leo Fender nos primórdios da empresa, com circuito identificado com as letras K-EE (Novembro de 1955), revela muito do que há por trás do puro timbre valvulado.

O circuito Champ não possui desvios, o sinal prossegue da guitarra aos falantes de forma linear, ilustrando perfeitamente o funcionamento dos melhores valvulados. O Champ demonstra o “timbre valvulado destilado”!

Sobre o circuito, algumas referências podem incentivar o leitor a ir adiante com afinco:

  • Eric Clapton teria gravado “Layla” em um Champ, segundo (OWSINSKI, Bobby. 2004. p. 77). Clapton usava um Champ durante os chamados “anos de Layla” porque “conseguia obter overdrive com baixo volume” (BALMER. 2007. p. 151).
  • Johnny Cash gravou o clássico “I Walk The Line” em Abril de 1956 em Memphis, usando uma guitarra Esquire e um Fender Champ (WHEELER, Tom. 2007. p. 202)
  • O Champ foi o primeiro amplificador de Billy Gibbons, do ZZ Top (WHEELER, Tom. 2007. p. 124).
  • “Um Tweed Champ é o menor denominador de um amplificador valvulado. Se em uma universidade meu projeto fosse construir um amplificador, eu precisaria de uma fonte com retificação,uma válvula de pré-amplificação e uma válvula de potência. É isso que você obtém com um Champ” (WEBER, Gerald. 2004. p. 309).
  • “Não há nada para ‘colorir‘ o timbre em um Champ além das válvulas.” (WEBER, Gerald. 1997. p. 395)
  • Foi o primeiro amplificador do experiente construtor de amplificadores Paul Rivera, o qual o modificou tentando adicionar reverb (sem sucesso) e assim começou sua carreira (FLIEGLER. 1993. p. 64)
  • Duane Allman, dos Allman Brothers, usou o Champ para trabalhos de gravação (OWSINSKI, Bobby. 2004. p. 77)

A partir do Champ foi-se desenvolvendo toda a linha de amplificadores “Tweed”. Apesar de sua simplicidade, o Champ faz jus a seu nome! É um ótimo amplificador para gravação e estudo. Se o leitor chegou até aqui na leitura, tenho a certeza de que irá se divertir com essa montagem!

Planejando o Projeto

A fabricação de amplificadores valvulados é um hobby (ou profissão) extremamente gratificante. Há poucas regras e formalidades, as primeiras conforme vimos no capítulo sobre segurança. E mesmo estas poucas regras não estão aí para lhe impor restrições ou determinar uma certa disciplina, são apenas questões de bom senso tendo em vista que estamos lidando com circuitos que possuem altas tensões elétricas.

O construtor pode desejar iniciar o quanto antes a etapa de construção, no entanto, a experiência me ensinou que uma breve etapa de planejamento é tempo bem investido.

Algumas decisões iniciais devem ser tomadas e a preparação dos materiais e ferramentas também lhe poupará contratempos mais adiante no trabalho de montagem.

Portanto, antes de começar a montagem, precisamos:

  • Decidir que material será usado para a construção do chassi.
  • Optar por um circuito elétrico a ser montado.
  • Decidir sobre a forma montagem do circuito: usando pontes de terminais ou placas de circuito?
  • Escolher o material para o gabinete: MDF, compensado ou madeira?
  • Selecionar o acabamento final do gabinete: pintura, verniz ou revestimento?
  • Organizar as ferramentas eletrônicas e mecânicas descritas anteriormente.
  • Estabelecer um local seguro para trabalho e montar sua bancada.
  • Adquirir todos os componentes eletrônicos e demais materiais
  • Adquirir o material do chassi ou encomendá-lo de um profissional.

Durante a montagem do amplificador o construtor encontrará situações inusitadas, portanto este guia visa apenas dar-lhe orientações gerais e poupar-lhe desvios desnecessários que encontrei em minha própria jornada rumo ao timbre valvulado.

A emoção de completar a primeira montagem e chegar com sucesso ao destino dessa aventura certamente lhe será inesquecível.

Como o leitor já deve ter notado, o planejamento consome algum tempo. Porém, essa etapa evitará atrasos durante a montagem, ao evitaremos problemas triviais que podem interromper o andamento do projeto.

Falaremos agora, brevemente, sobre cada uma das decisões acima listadas.

Escolhendo o Circuito

A primeira etapa do planejamento do amplificador é decidir qual será o circuito a ser montado. Algumas das primeiras aventuras do autor com amplificadores valvulados para guitarra foram montagens sem decisão prévia de circuito! Esse foi simplesmente surgindo de acordo com experimentos, em tempo real. A montagem “ad hoc”, conforme realizadas nestes experimentos iniciais é certamente divertida, e válida em termos de experiência, porém o resultado pode ser, muitas vezes, a perda completa do trabalho de montagem.

Nos dias atuais, existem “kits” de montagem, a exemplo dos famosos projetos da comunidade AX84, ou kits comerciais como os fornecidos pela Ceriatone ou Weber. Estes últimos podem acarretar em custos maiores para aqueles que necessitam importar os materiais, devido às leis antiquadas para importações ao Brasil. Os leitores portugueses certamente encontrarão maior facilidade para aquisição de materiais de qualidade no mercado comum da Europa.

Conforme mencionamos ao início desta seção, nessa montagem recomendo o circuito 5F1 do Fender Champ, criado em meados da década de 1950. O circuito pode lhe parecer simples, porém, como já falamos, ilustra perfeitamente o que é “o puro timbre valvulado”.

O Champ é fruto do pragmatisimo e praticidade habitual de Leo Fender: o timbre simplesmente flui por três estágios de ganho valvulados e chega aos alto-falantes.

No entanto, o leitor possui uma infinidade de projetos para escolher, não só de “kits” prontos para aquisição, mas incontáveis esquemas eletrônicos livrementes disponíveis na Internet.

Recomendo a escolha de um circuito simples para os iniciantes, pois a alma dos valvulados não se encontra na complexidade dos circuitos, pelo contrário, um simples Champ 5C1 (anterior ao 5F1) possui timbre espetacular.

Adquirindo o Chassi

Usaremos alumínio, latão ou aço? Tentaremos montá-lo ou iremos terceirizar essa etapa? Essa é uma decisão primordial pois, sem o chassi, não podemos proceder. Precisamos, primeiro, determinar o espaço físico que teremos para trabalhar dentro do amplificador – e tal espaço depende do chassi escolhido.

O circuito ditará o tamanho físico das placas de circuito, e estas ditarão as dimensões necessárias para o chassi, incluindo quantas pontes de terminais serão necessárias, qual será o arranjo dos transformadores, capacitores e demais componentes.

Ao optar por um circuito, verifique se não há um documento de “layout” que o acompanhe. O layout fornece a organização original das montagens realizadas pelos fabricantes, que eram o principal guia dos montadores de amplificadores nas fábricas. Grande parte dos esquemas Fender em formato PDF possuem páginas adicionais ao esquema elétrico, informando o arranjo sugerido para as peças. Recomendo ao construtor iniciante seguir tais planos, de modo a evitar erros mais comuns. Quando adquirir experiência, o construtor poderá realizar futuras montagens sem o uso de layouts auxiliares.

O chassi deve acomodar, com folga, os dois transformadores, lembrando que o transformador de alimentação será sempre fisicamente maior que o de saída. Tal fato é derivado diretamente da lei de conservação de energia: o consumo do transformador de alimentação será maior que a potência enviada aos alto-falantes pelo transformador de saída. Perde-se muita energia em um amplificador valvulado, especialmente devido à calefação das válvulas. Um amplificador válvulado de 100 Watts típico consome em média 275 Watts de potência elétrica, eficiência de apenas 36% – ou seja, 64% da energia elétrica consumida não é transformada em áudio.

Outro fator primordial na consideração de um chassi é buscar oferecer às válvulas espaço de convecção de ar suficiente para diminuir sua temperatura, efeito colateral ocasionado pelo funcionamento termiônico. Propiciar o resfriamento das válvulas prolonga sua vida útil e reduz o desgaste dos componentes periféricos.

Capacitores eletrolíticos não devem ser colocados nas proximidades imediatas das válvulas de potência, apesar de assim ocorrer em alguns modelos populares. Muitas das decisões das grandes empresas foram tomadas visando a economia na produção em grande escala, as quais não precisamos replicar em nossas montagens artesanais. Ao construirmos uma peça única não é preciso economizar espaço físico e pequenas quantidades de material para produzir um chassi ligeiramente maior.

Capacitores devem trabalhar sempre frios. O aumento de temperatura em capacitores de qualquer espécie pode indicar dissipação ohmica (vazamento DC) ou falta de ventilação, principalmente na proximidade com as válvulas de potência.

Em resumo:

– O chassi determina o arranjo físico dos componentes. Transformadores podem ser colocados em lados opostos, ou ambos do mesmo lado do chassi. Esse último tipo de arranjo desbalanceia o peso físico do amplificador, mas oferece maior organização da fiação interna.

– Capacitores devem estar a uma distância segura das válvulas de potência.

– Deve-se separar as válvulas de potência, permitindo pelo menos 2 a 3 cm entre válvulas EL34, 6L6GC, ou 1.5 a 2cm de distância entre válvulas EL84 e 6V6. Válvulas maiores como KT88, 6550 exigem 3 a 4 cm entre si.

– Válvulas de pré-amplificação podem ser instaladas em maior proximidade umas das outras, pois o excesso de temperatura não será a questão mais importante a se considerar neste caso. Com relação às válvulas de pré-amplificação deve-se considerar principalmente o arranjo da fiação. Arranjos equivocados das válvulas de pré propiciam oscilações, ruídos e interferências, por se tratar de circuitos de alto ganho e alta impedância, combinação que sempre exige cuidados adicionais na construção.

Recomenda-se “passear” pelos vários modelos de chassis existentes, principalmente amplificadores especiais, não construídos em série como aqueles fabricados por Alexander Dumble (Dumble Amplifiers) e Ken Fischer (Trainwreck Amplifiers).

Tipo de Montagem

O próximo passo é decidir sobre o tipo de montagem elétrica que desejamos efetuar. Aqui pode-se escolher entre placas de circuito impresso, placas de turrets ou rebites, pontes de terminais ou montagem 100% ponto a ponto.

PCI’s

Existem textos completos sobre placas de circuito impresso e sua confecção. Portanto não trataremos desse tipo de montagem, até mesmo por não ser a mais tradicional em amplificadores valvulados.

Pontes de Terminais

As pontes de terminais oferecem um método de montagem confiável e robusto, porém sua montagem deve ser efetuada diretamente dentro do chassi, e eventuais erros são de difícil correção. Os componentes devem ter seus terminais enrolados em torno dos anéis da ponte, e a soldagem de qualidade exige maior potência do ferro de solda. Devido à forma de fixação dos terminais aos anéis da ponte, eventuais erros podem ser mais difíceis de corrigir em comparação com a montagem em placas de turrets/rebites.

Placa de Turrets / Rebites

O sistema de placa de rebites ou turrets permite a montagem eletrônica separada do chassi, para depois “encaixá-la” no amplificador. Tal sistema permitiu à Fender otimizar sua linha de montagem em série. Todos os fabricantes da época (1950 em diante) passaram a utilizar esse método para “massificar” sua produção. Para nós, construtores artesanais, a montagem em placas de rebites combina a robustez da montagem em ponte de terminais, com a praticidade das placas de circuito impresso; sem perder a “aurea” vintage da montagem.

Montagem 100% Ponto a Ponto

Carinhosamente apelidada de “montagem estilo ninho de ratos”, a montagem “100% ponto a ponto” propicia uma verdadeira desordem no circuito. Utilizando apenas os terminais dos próprios componentes como pontes de terminais, cria-se uma situação onde substituir soquetes, capacitores, resistores e demais componentes torna-se tarefa complicada. Encontra-se a montagem 100% ponto-a-ponto em rádios da primeira metade do século XX e nos primeiros amplificadores valvulados para instrumentos. Porém amplificadores para guitarra posteriores à “era Fender” não costumam utilizar tal método. Alguns circuitos simples podem ser montados dessa forma, porém em projetos mais sofisticados não devemos optar por essa metodologia.

Montagem Mista, Placas + Trechos Ponto a Ponto

Na atualidade quando nos referimos coloquialmente à “montagem ponto-a-ponto” falamos da montagem que combina pontes de terminais ou placas de rebites com alguns trechos do circuito ligados ponto-a-ponto.

Utilizar o pino 1 do soquete de válvulas 6L6, por exemplo, para fixar o resistor de screen (pino 4) é prática comum. Interligar os terminais de capacitores de fonte, com resistores de filtro, também. Pequenos trechos montados dessa maneira não ocasionam problemas futuros.

Desta forma, este é nosso método sugerido: usaremos placas de circuito impresso em combinação com determinados trechos de montagem ponto-a-ponto.

Madeira, Compensado o MDF?

MDF

O MDF é um material composto por celulose e colas especiais, o qual passa por um processo de compactação para dar origem a um “denso papelão”. Alguns tipos de MDF recebem tratamento adicional de impermeabilização e recebem nomes comerciais diferenciados.

Na minha opinião, o MDF não substitui a madeira em um amplificador de qualidade. Tampouco é “ecologicamente correto”, pois utiliza celulose em sua confecção, além de utilizar compostos quimicos em sua homogenização.

Desta forma, considero a construção em MDF como inadequada para amplificadores valvulados.

Compensado

O compensado é a melhor opção para montagem de gabinetes onde a madeira maciça não esteja, ou não possa, ser empregada. Pranchas de madeiras de qualidade não são facilmente encontradas em larguras superiores a 30 ou 40cm, por exemplo. Assim, para construir um gabinete de alto-falantes em madeira seria necessária a colagem paralela de várias pranchas. Por isso a opção mais comum é utilizar o compensado, aglomerado ou MDF.

Compensados de pinho oferecem excelente resposta acústica em gabinetes de alto-falantes, e podem ser adquiridos, a um preço adicional, com proteção contra umidade, cupim e outros problemas frequentes em madeiras de menor qualidade.

Efetuar encaixes “malhetados” em compensados é tarefa difícil (ou impossível, sem equipamento especial). Devem, assim, ser empregados outros métodos de construção para dar origem a um gabinete durável, a maioria dos quais emprega apoios internos ou “mãos francesas” nas juntas de madeiras.

Madeira

A montagem utilizando madeiras finas dá origem a peças únicas, pois não existem duas pranchas de madeira idênticas. Quando bem selecionadas, as madeiras “de lei” podem ser trabalhadas em peças absolutamente únicas.

No entanto, o visual da madeira exposta pode não agradar a todos. Nessas situações recomendo o emprego de compensado de boa qualidade, podendo depois ser coberto com material semelhante ao Tolex. Até mesmo madeiras podem ser usadas sob o revestimento, a exemplo dos primeiros amplificadores Fender Tweed (TEAGLE. 1995. p. 60).

Pintura, verniz ou revestimento?

Ao efetuar a construção de um amplificador em madeira de qualidade, provavelmente não será escolhido um acabamento opaco, o que anularia o efeito estético de construir-se o gabinete usando belas madeiras. Acabamentos translúcidos, porém coloridos, podem realçar as características da madeira e, ao mesmo tempo, receber a proteção de uma camada de verniz.

Acabamentos opacos, como pinturas ou revestimentos, podem ser utilizados sobre o compensado. Caso seja utilizada madeira de visual não muito agradável, essa também pode ser revestida.

As pinturas mais resistentes para madeira são as pinturas com base em epoxy ou aquelas automotivas (normalmente protegidas por uma camada de poliuretano). Deve-se selar a madeira por completo, e utilizar “primer” para dar homogeneidade à superfície, antes de iniciar a pintura propriamente dita. É um trabalho que, quando bem realizado, exige paciência e extrema atenção à limpeza do ambiente. As pinturas automotivas costumam “curar” apenas após aplicação do poliuretano, em reação química com o mesmo. Por isso, o processo de pintura exige todo o equipamento para pintura automotiva, e conhecimento dos principais produtos envolvidos. A maior parte dos produtos utilizados na pintura automotiva são altamente tóxicos, sendo principalmente danosos mediante a inalação de seu vapor. Deve-se usar máscara protetora e possuir ambiente de trabalho amplo e ventilado.

Por fim, o leitor já deve ter notado por que o revestimento em Tolex ou courvim ainda é o método mais utilizado em amplificadores para guitarra. Trata-se do método mais simples e mais fácil de ser utilizado em ambiente caseiro. Pode-se usar a cola PVA no lugar da cola de contato (“cola de sapateiro”), evitando a toxicidade desta. A principal desvantagem desse tipo de acabamento está no fato de revestimentos de qualidade serem difíceis de se encontrar no mercado do Brasil. O courvim não substitui o Tolex, e o couro pode não ser uma opção. Materiais como o Tweed ou Tolex devem ser importados. No entanto, havendo a possibilidade de realizar essa importação, são materiais excelentes e que darão a seu amplificador o visual vintage dos clássicos.

Espaço de Trabalho: Organizando as Ferramentas na Bancada

O próximo passo do planejamento envolve a organização da área de trabalho. A construção do amplificador levará de semanas a meses, dependendo do tempo dedicado ao projeto, sua experiência prévia e eventuais imprevistos durante a construção.

Os estágios finais, principalmente aquele de acabamento do gabinete, pode levar até algumas semanas. Colagens, vernizes e demais processos que envolvem produtos químicos podem exigir determinados prazos de espera entre um passo e o próximo.

Portanto, a bancada de trabalho deve ser organizada em local que permita seu uso durante períodos prolongados, pois o chassi contendo toda a montagem eletrônica deverá permanecer em “estado de trabalho” durante todo esse período. Esse espaço deve permanecer longe do acesso de crianças pequenas e animais domésticos, por exemplo.

Nem todas as ferramentas precisam encontrar-se ao alcance do construtor a todo momento. Por isso, devem ser mantidas na bancada apenas as ferramentas de uso imediato. A princípio, o montador precisará de dois alicates de eletricista: de corte e o tradicional, de ponta fina. Precisaremos de uma ferramenta para descascar fios, estilete, ferro de solda, rolo de solda 60/40, chaves de “Philips” e de fenda, chaves de boca tamanhos 10 a 17, entre outras. Conforme o projeto ganhar ritmo, o construtor notará que há um pequeno conjunto de ferramentas mais utilizado que as demais – este conjunto permanecerá na bancada a todo momento.

O isolante termo-retrátil será muito usado. Os rolos de tubos “spaghetti” termo-retráteis devem ser mantidos em local de fácil acesso, possívelmente penturados em um suporte de onde podem ser retirados pequenos pedaços.

A fita isolante não é usada na montagem de amplificadores valvulados de qualidade.

Indo às Compras

A maior parte dos materiais utilizados na montagem de amplificadores valvulados pode ser encontrada no Brasil. No entanto, marcas tradicionalmente utilizadas nas montagens consideradas “vintage” não são encontradas no mercado nacional.

Capacitores Mallory e Sprague (eletrolíticos e de poliéster), chaves Carling, potenciômetros CTS e Clarostat, fios com isolante de PTFE (politetrafluoroetileno, ou simplesmente Teflon), soquetes de boa qualidade para válvulas, transformadores de saída Hammond ou Mercury Magnetics, “jóias” para a lâmpada do painel frontal, entre outros itens típicos nos valvulados clássicos raramente serão encontrados no mercado nacional.

Com a popularização da Internet, estas peças podem ser facilmente compradas em de sistemas de “leilão online” ou em lojas internacionais, a exemplo de:

  • Tubedepot.com
  • Tubesandmore.com
  • Angela.com
  • Mojotone.com

Mãos à Obra!

Basta de planejamento! Caso tenhamos conseguido realizar os passos anteriores sem contratempos, podemos agora esquentar o ferro de solda.

Lembre-se de revisar as sugestões para garantir sua segurança – e mãos à obra!

Preparando o Chassi

O chassi é o ator principal de nossa montagem, todo o processo de construção gira em torno desse. Partimos do pressuposto que você possui o chassi devidamente usinado e dobrado em seu formato definitivo. Este trabalho pode ser terceirizado para uma empresa de metalurgia fina ou especialistas em chassis para valvulados.

Tendo o chassi perfurado e dobrado, o primeiro passo do preparo do chassi é fixar os soquetes de válvulas. Para tanto, utilizo parafusos de 2.5mm de diâmetro, por 8mm de comprimento, com rosca de máquina, preso utilizando porca de pressão para evitar soltura com a vibração. Parafusos de aço inox propiciam um acabamento visualmente superior.

O passo seguinte é a fixação do painel traseiro, contendo a arte e serigrafia. Por cima desse painel são inseridos o soquete IEC para o cabo de alimentação, porta-fusível caso este não esteja embutido no conector IEC, e jack para saída de alto-falante. Para evitar a vibração entre painel e chassi, é possível colá-lo com adesivo epoxy, cola de contato, ou inserir um elemento amortecedor entre a placa e o chassi, a exemplo de fita dupla-face 3M. Utilizo cola epoxy para essa função. Colas diversas, de boa qualidade, podem ser obtidas em lojas especializadas em aeromodelismo.

O mesmo procedimento é seguido com o painel dianteiro, no entanto é recomendável realizar primeiro a montagem da parte traseira, de modo que o painel dianteiro seja instalado apenas no momento adequado, evitando assim riscos e arranhões durante os trabalhos de montagem. Não há qualquer componente do painel dianteiro que exija sua montagem precoce – portanto este pode ser instalado por último, apenas removendo as porcas de fixação dos potenciômetros, chave de liga/desliga e assim por diante.

Já o conector IEC para o cabo de alimentação exige primeiro a montagem do painel traseiro, já que este fixa o painel por fora e deve encontrar-se instalado para começarmos a montagem da fonte de alimentação.

Tendo os conectores traseiros devidamente instalados, prosseguimos à instalação dos transformadores.

Instalando os Transformadores

Pelo menos dois transformadores são utilizados em toda montagem: aquele de alimentação e o de casamento de impedância de saída. Caso o leitor esteja utilizando o circuito sugerido, do Champ 5F1, estes serão os únicos necessários.

Outras montagens podem exigir um transformador adicional para o estágio excitador do tanque de reverb e, possívelmente, um indutor de choque para filtragrem DC (“choke”).

A fixação dos transformadores se dá por meio de parafusos de rosca de máquina, com porca e arruelas de pressão para evitar a soltura com a vibração. Devem haver arruelas nas partes superior e inferior (por dentro do chassi) dos pontos de fixação.

Normalmente a fiação do transformador deve ser conduzida para o interior do chassi antes de efetuar a fixação do mesmo, evitando dobrar excessivamente os fios.

Recomenda-se que a passagem dos fios do transformador pelo orifício do chassi seja protegida com um isolante, como um anel de borracha. Com o passar do tempo, caso os fios se encontrem em contato direto com o metal do chassi, as vibrações constantes sobre o isolante envelhecido podem causar desgaste(“stress de fiação”) suficiente para ocasionar centelhamento. As fiações de AC de alta tensão devem receber especial atenção neste ponto da montagem. É prudente utilizar isolantes em todas as passagens de fios de alta tensão nas proximidades do chassi, principalmente entre as partes metálicas mais contundentes.

Passando a Fiação de Calefação

A fiação de calefação deve receber alguns cuidados especiais. Devemos ter em mente que nenhum setor de alta tensão do amplificador apresenta maior corrente elétrica que aquela presente no circuito de calefação – até mesmo da menor válvula do amplificador.

A corrente elétrica gera um campo eletromagnético correspondente em torno do condutor. A projeção desse campo pode chegar a causar interferências audíveis em circuitos localizados a vários milímetros de distância.

A aproximação da fiação de calefação dos circuitos que levam às grades das válvulas, por exemplo, gera ruído de baixa frequência na saída do estágio amplificador. A fiação de calefação, quando mal planejada, pode tornar o amplificador inutilizável.

Seguem algumas diretrizes para efetuar uma boa instalação da fiação de calefação:

  • Todos os trechos de fios devem ter corte no início e no fim. Quando desejamos interligar duas válvulas, não devemos desencapar um trecho do fio e soldar este trecho descapado ao pino do soquete, seguindo adiante com o mesmo fio. Corte o fio, e desencape os dois segmentos efetuando o encadeamento de dois soquetes.
  • Utilize fios de cores distintas. É importante ligar a mesma fase aos mesmos pinos das diversas válvulas. Especialmente nas válvulas de potência, pois estas trabalham em contrafase e, ao conectarmos a fiação da calefação com fase invertida, o estágio push-pull irá amplificar o ruído de calefação em vez de cancelá-lo.
  • Torça os pares de fios. Uma parafusadeira de mão é especialmente útil nessa tarefa. Prenda os dois fios a serem torcidos a um local fixo, e as outras pontas ao mandril da furadeira. Lentamente, e guiando com as mãos para que a torção seja homogênea, torça os fios até adquirirem a mesma tensão em todos os segmentos. Não o faça com furadeira sem controle de velocidade, o resultado será um trecho de fio perdido. Os fios trançados ajudam a cancelar o ruído magnético emitido pela fiação de calefação.
  • Os fios trançados devem ser conduzidos próximos às esquinas do chassi. Quando os soquetes se encontrarem a pouca distância dos cantos do chassi, leve os fios até o extremo do chassi, efetuando uma dobra de 90 graus e posteriormente retornando ao próximo soquete. Não interligue os soquetes diretamente, isto causará a formação de uma região ruidosa entre os soquetes.
  • Não devem ser formados anéis na fiação de calefação. A cadeia de ponto a ponto deve terminar no último soquete e não deve retornar. Caso seja necessário alimentar outra válvula, em lado oposto do chassi, por exemplo, deve-se conduzir um novo par trançado até este soquete.
  • Os fios devem possuir secção condutora quadrada proporcional à exigida para os níveis de corrente requeridos. No caso do Champ 5F1, a válvula 5Y3 exige 5 Volts e 2 Amperes, a válvula 6V6 exige 500mA e 6.3 Volts. A válvula 12AX7 exige 300 mA. Ou seja, a fiação de 6.3 Volts conduzirá cerca de 800mA, e a calefação da válvula 5Y3 conduzirá 2 Amperes. Fios com 0.5mm de diâmetro são capazes de conduzir 3.5 Amperes. Recomendo incluir uma folga de pelo menos 100%, utilizando fio AWG 22 ou 20 (0.6 a 0.8 mm de diâmetro respectivamente).
  • Cada polo do par da calefação deve ser interligado ao terra do circuito através de um resistor de 100 OHMs. A ligação deve ser efetuada em apenas um dos soquetes de todo o circuito, em apenas um ponto da referência de terra. A referência ao chassi atenua ruídos provenientes do circuito de calefação. A calefação de 5 V da válvula retificadora não exige essa ligação.
  • É recomendável conduzir a fiação de calefação através do lado oposto àquele dos potenciômetros e demais condutores do pré-amplificador. A fiação mais “ruidosa” da fonte de alimentação deve ser conduzida sempre pelo lado mais distante do pré-amplificador.
  • Deve-se evitar formar um anel em torno do soquete com os fios de calefação. Para interligar a próxima válvula, obtenha a conexão do mesmo lado em que a fiação chegou à mesma.

Seguindo essas recomendações o construtor não deve enfrentar maiores problemas durante a montagem. A interligação da fiação de calefação entre soquetes requer paciência, porém, devemos lembrar que a calefação funciona a 100% de potência a todo momento, mesmo que o amplificador se encontre em modo “standby” ou com volume zero. Portanto trata-se de um circuito que deve ser construído para suportar, com folga, essa demanda durante toda a vida útil do amplificador. Investir algum tempo nessa etapa produz recompensas futuras, estendendo a vida útil das válvulas e resultando em um amplificador com baixo nível de ruídos.

Pontes de Terminais

As pontes de terminais são tiras de baquelite ou fenolite, com pequenos terminais metálicos fixados perpendicularmente às mesmas, os quais permitem a interligação das diversas partes do circuito. A localização física das pontes de terminais é de especial importância na montagem de um circuito onde buscamos obter baixo nível de ruído.

Normalmente um ou mais terminais possuem continuação na parte inferior da tira de fenolite, terminando em uma arruela de fixação. A tira pode ser presa ao chassi através de parafuso e porca, rebite ou solda. Costumo empregar a solda branca, porém essa pode se tornar uma tarefa complicada em chassis de alumínio, nos quais os parafusos ou rebites pop são mais indicados.

A fixação de um ou mais terminais ao chassi possui implicações na montagem do circuito elétrico. Primeiramente, deve-se evitar utilizar estes pontos como referências de terra nos estágios de alto ganho. O retorno de terra através do chassi pode gerar minúsculas diferenças de potencial em relação ao terra principal do amplificador. Estas diferenças serão amplificadas, especialmente na primeira válvula do circuito (V1). Os terminais que são interligados ao chassi não podem, tampouco, ser utilizados para conexões de circuito (pois encontram-se em potencial de terra). Portanto pode ser útil fixar as pontes de terminais em uma superfície isolante, de modo a aproveitar melhor estes terminais.

Costumo soldar pares de fileiras de pontes de terminais paralelas e alinhadas, assim os componentes podem ser interligados perpendicularmente entre elas.

Ao soldar as pontes de terminais ao chassi, caso opte por utilizar tal técnica de fixação, deve-se evitar o uso do maçarico pois este carbonizará, ainda que levemente, a superfície do fenolite, tornando-o eletricamente condutivo.

Os terminais dos componentes devem ser enrolados em torno dos anéis das pontes de terminais, não só conduzidos através deles e preenchidos com solda. A correta montagem com pontes de terminais torna o circuito fisicamente robusto, porém acarreta em maior trabalho ao ocorrerem erros na montagem ou quando se torna necessária a troca de componentes.

Placas de Rebites: Montagem

As placas de turrets, ou rebites, combinam parte das vantagens da montagem sobre pontes de terminais, mantém o visual vintage do circuito, e evitam os problemas com a ligação de terminais diretamente ao chassi. As placas também podem ser montadas fora do chassi, testadas e, posteriormente, ligadas definitivamente ao circuito. Tal característica fez das placas de rebites o método mais difundido para construção de amplificadores em grande escala até a década de 1970. Durante os anos 1970 a construção em série de placas de circuito impresso (PCI ou PCB em inglês) substituiu os outros métodos na produção de amplificadores em série.

As placas de rebites não possuem trilhas de cobre sob as mesmas. A ligação dos componentes é efetuada, conforme o nome sugere, por entre o orifício de rebites ou turrets, e estes são interligados, de acordo com o esquema do circuito, através de fios localizados sob a placa.

De fato, as placas de circuito impresso são uma evolução das placas de rebites. Ao lançarmos fios entre os pontos da placa, estamos essencialmente criando “trilhas”. Este conceito foi aprimorado, até que chegamos aos dias atuais onde há placas de circuito impresso de várias camadas de trilhas condutoras o que, de fato, produz vários circuitos “empilhados” sobre o mesmo espaço vertical. Esta miniaturização, e aprimoramento na construção de placas de circuito é certamente bem-vinda na informática, nos telefones cada vez menores, nos computadores portáteis e assim por diante.

No entanto, em circuitos de amplificadores valvulados, as placas de circuito impresso não favorecem a montagem no estilo vintage que buscamos seguir em nosso estudo. É possível construir bons amplificadores utilizando PCB/PCI, mas não abordaremos o uso dessa técnica.

Retornando às placas de rebites, sua construção é simples, porém para que o resultado seja satisfatório, é importante atentar-se para alguns detalhes.

  • A furação dos orifícios para posicionar os rebites deve ser feita em furadeira vertical, de bancada. Usando-se furadeira de mão, o ângulo de todos os furos será distinto, e, principalmente na montagem com turrets, a placa terá um visual amador.
  • Costumo imprimir, usando programas de computador como Corel Draw, Illustrator, AutoCAD ou Solidworks, um perfil de furação impresso com os pontos exatos onde deve-se perfurar. Este perfil descartável é colado sobre placa através de fita crepe ou qualquer adesivo facilmente removível – assim, usando um punção como marcador, os furos são realizados nos pontos exatos, sempre alinhados. Caso deseje construir mais de uma unidade, é possível construir perfís de aço inox que, uma vez perfurados, podem ser usados como guias para a montagem futura de placas.
  • Não deve haver folga entre o diâmetro do rebite e o furo da placa, especialmente ao realizar montagem com turrets.
  • Todos os terminais, rebites e turrets, devem ser escovados para retirar óxido e sujeiras antes de iniciar a soldagem.
  • Os terminais dos componentes devem ser enrolados em torno dos turrets, ou passados por dentro de seu orificio. O construtor deve buscar efetuar ligações mecânicas dos componentes antes de aplicar a solda – em outras palavras, o componente deve permanecer no lugar com firmeza antes da soldagem.
  • Ao trabalhar com o setor de alta tensão da fonte, devemos estar atentos ao espaçamento entre os terminais, especialmente aqueles entre pontos de alta tensão e potencial de terra, como as ligações de placa e o catodo das válvulas de potência. 10mm é uma boa medida de espaçamento entre turrets com no máximo 500 VDC. Setores de maior tensão podem exigir espaçamento de 15mm ou mais.
  • Os rebites possuem projeção na parte inferior da placa. Deve-se ter muita atenção para que os terminais de componentes passados por dentro do rebite não se aproximem demasiadamente do chassi – todos devem ser cortados próximos à placa. Montagens perfeitamente realizadas fora do chassi podem causar problemas ao serem alimentadas com alta tensão devido à falta de observância desse tipo de detalhe. A distância entre quaisquer pontos de alta tensão e o chassi não deve ser inferior a 10mm. Para garantir essa distância, o espaçador entre placa e chassi deve ter, no mínimo, 15mm.
  • Certas pastas de solda são condutoras elétricas. Ao utilizá-las para efetuar soldagens de boa qualidade, todos os resíduos devem ser limpos com alcool isopropílico (isopropanol).

Com essas dicas em mente, é preciso “traçar” o circuito sobre a placa de rebites. Novamente, o procedimento ideal é utilizar um programa para desenho que lhe permita alterar a localização dos componentes e, se necessário, corrigí-los ainda no computador. Desenhar no papel pode ser útil, porém a informática facilita tudo ao permitir correções instantâneas.

Após transcrever o circuito elétrico escolhido para um desenho impresso, determinamos qual o comprimento e a largura da placa de epoxy onde fixaremos os rebites. As placas de epoxy mais tradicionais (não há um padrão formal) possuem 3 1/8” de largura, por 1/8 de espessura, e o comprimento é determinado justamente na etapa da montagem em que nos encontramos. Via de regra, o autor utiliza a distância de 10mm entre rebites em circuitos de até 500 VDC. Para circuitos de maiores tensões, será preciso trabalhar com 15 a 20 mm entre rebites.

Após termos o perfil de furação da placa de epoxy ou fibra de vidro, procedemos à furação em si. Este trabalho, quando feito a mão, é relativamente laboroso e exige atenção para que os furos fiquem perfeitamente alinhados. Apenas um turret colocado de forma equivocada é capaz de retirar o aspecto profissional de uma placa de rebites.

Há, ainda, a opção de realizar estas furações, e todo o trabalho de usinagem de um amplificador, através de máquinas CNC. Estas são capazes de repetir o mesmo procedimento incontáveis vezes com perfeição. As máquinas CNC de alta qualidade requerem elevado investimento inicial, porém uma vez realizado este investimento, estas se tornam nossa principal ferramenta na construção de guitarras e amplificadores. Já as máquinas CNC de baixo padrão de qualidade não realizam trabalhos adequados e tampouco compensam o investimento. Assim, a decisão de produzir através de CNC requer, necessariamente, elevado investimento inicial, principalmente para pequenos produtores e artesãos, o que as deixa fora do alcance da maioria (na qual o autor encontra-se incluído).

Os rebites que possuirão ligações externas à placa devem possuir um outro orifício alinhado consigo. Este orificio deve ter diâmetro maior que o do fio usado na interligação, normalmente 3mm ou 1/8” é suficiente. O fio de interconecção deve vir sob a placa e, passando por este orificio, efetua contato com o terminal. Este sistema aumenta a resistência mecânica da solda e oferece excelente acabamento visual.

Os últimos furos necessários serão aqueles utilizados para fixação da placa ao chassi. Recomendo 4 furos em locais simétricos, distribuidos uniformemente, seguindo o mesmo diâmetro utilizado para passagem dos fios no passo anterior: aproximadamente 3mm. O principal cuidado dessa etapa é observar para que não haja o alinhamento do furo com o terminal de qualquer componente, fato que impedirá acesso ao mesmo após a soldagem dos terminais.

Os 4 furos de fixação da placa devem ser transcritos ao chassi. Para isto, basta colocar a placa sobre o mesmo e utilizar um marcador permanente para registrar o local onde deve ser perfurado. Todas as furações no chassi devem ser precedidas de marcação do local usando o punção.

De posse das placas perfuradas, procedemos à instalação dos rebites ou turrets. O processo é semelhante: os terminais são fixados à placa por pressão. No caso de rebites, o alicate específico realiza o trabalho de fixá-los à placa, criando uma pequena ilha de material condutor.

No caso dos turrets, eles são inseridos nos furos da placa e seu lado superior, onde serão fixados os componentes, é posicionado sobre um objeto metálico pesado – morsa ou semelhante. Na parte inferior da placa, no centro do orifício do turrett, é aplicada uma leve pancada utilizando martelo e punção de ponta cônica. O punção distorce levemente o furo do turret, mantendo-o no lugar através de expansão física. Em ambos os casos, de turrets ou de rebites, a pressão necessária para mantê-los no lugar, caso o furo tenha sido feito com o diâmetro correto, é muito pequena. Não é necessário aplicar força excessiva para obter uma montagem robusta.

Tendo os terminais nos locais corretos, passamos então à colocação dos componentes eletrônicos. As pernas dos componentes devem ser dobradas utilizando-se um padrão equivalente ao espaçamento entre os turrets correspondentes. O autor utiliza espaçamento de 60mm. Um pequeno bloco de madeira cortado com largura um pouco menor que 60mm e um pequeno corte-guia em seu perfil permite dobras perfeitas.

Devido ao armazenamento de peças eletrônicas por períodos prolongados, forma-se uma camada de óxido em seus terminais. Este óxido não permite soldagem de qualidade – como resultado disso, é surpreendente a quantidade de defeitos oriundos de soldas mal feitas encontradas em amplificadores populares.

Uma escova de aço é usada para remover óxido dos rebites e turrets antes de iniciar a soldagem. Todos os terminais dos componentes devem também ser raspados com um estilete afiado. O construtor notará nos componentes limpos o surgimento de brilho proveniente do estanho. A soldagem deve ocorrer imediatamente após a limpeza para obter o melhor resultado. Torna-se um hábito raspar todos os componentes antes de soldá-los, e o resultado final é uma montagem com soldas de alta qualidade. Com relação à limpeza dos rebites, utilizo a micro-retífica Dremel com ponta de escova de aço, ferramenta que agiliza a tarefa.

Não recomendo o uso de compostos químicos na limpeza dos terminais antes da solda. Em soldagens de alguns aparelhos eletrônicos tradicionais, principalmente em soldas de fonte de alimentação, as quais exigem maior volume de estanho, pode-se usar ácido ou pasta resinosa para auxiliar no trabalho. No entanto, em circuitos de alta tensão, pequenos resquícios destes compostos quimicos podem propiciar a condução elétrica entre terminais.

Ao terminar uma montagem de amplificador, há alguns anos, não conseguia identificar a fonte de ruído “de rádio AM sem sintonia” que ocorria naquele circuito. Após vários dias de exames, verifiquei um minúsculo centelhamento entre dois pinos de um soquete de válvula. O local encontrava-se aparentemente limpo, e o soquete era construído em cerâmica, a qual não deveria permitir este problema. Depois de utilizar um cotonete com alcool isopropílico para limpeza do local, o algodão encontrava-se tingido de amarelo, indicando resquícios de pasta de solda no local. Aquela montagem foi sacrificada pois a pasta de solda havia sido utilizada em todo o circuito. Não haveria a possibilidade de efetuar limpeza completa, tendo certeza de haver removido todos seus resquícios. Assim, perdí todo o trabalho de montagem devido ao uso indevido da pasta de solda.

O exemplo acima ilustra como é possível perder semanas ou meses de trabalho devido a um detalhe aparentemente sem importância.

Esse exemplo de caso também trata de um assunto crítico para construtores de amplificadores valvulados: as peculiariades de se trabalhar com tensão elevada. Os sistemas de áudio automotivos, aparelhos de som caseiros, e demais transistorizados (em geral), não requerem os mesmos cuidados. Os transistorizados costumam trabalhar com corrente elevada, o que requer condutores de maior secção condutora. O trabalho com alta tensão requer condutores de diâmetro reduzido para a mesma potência, porém há maior preocupação com o isolamento elétrico. Técnicos com mais experiência em circuitos amplificadores de baixa tensão (< ~50 V) devem estar atentos a este tipo de detalhe quando migrarem para o universo dos valvulados.

Após a soldagem dos componentes à placa de turrets, deve-se proceder à passagem de fios sob a placa, interligando os componentes de acordo com o circuito elétrico. Os componentes e suas ligações devem ser organizados de modo que o lado que requer conexão com chaves e potenciômetros no painel encontre-se voltado para a frente do amplificador, evitando dar voltas com os condutores por cima ou por baixo da placa de circuito. Reciprocamente para os componentes que têm conexões com as válvulas e demais partes do circuito do lado oposto. Os fios devem ser mantidos curtos, buscando o caminho mais direto entre origem e destino.

Ao passar fios sob a placa devemos tomar nota de que nível de tensão e corrente elétrica transitará por cada condutor. Circuitos ligados aos anodos devem estar afastados dos sensíveis circuitos de grade G1, podendo, de outra forma, formar anéis de retroalimentação. Circuitos ressonantes parasíticos, normalmente de alta frequência, tornam o amplificador instável, principalmente quando operado com alto volume.

Ao concluir a soldagem dos componentes, e deixar os fios de interligação exterior da placa, temos em mãos um circuito basicamente montado, porém sem interligação física com as demais partes do amplificador.

Placas de Rebites: Instalação

Na montagem de um circuito como o Champ 5F1, teremos apenas uma placa. No entanto o leitor deve ter notado a referência “às placas”, no plural, ao longo desse texto. Como este capítulo não é específicamente sobre o Fender Champ (sendo este apenas uma sugestão de montagem), admite-se o fato de que a maioria dos amplificadores possui mais de uma placa de circuito.

Para fixar as placas de rebites ao chassi podemos utilizar espaçadores com rosca fêmea por um lado e macho do lado oposto. Este tipo de espaçador é muito comum em montagens de equipamentos de informática – são feitos de latão e podem ser encontrados em casas técnicas do ramo. No entanto esses espaçadores possuem baixa altura e não promovem espaçamento adequado entre placa e chassi nos setores de alta tensão.

O autor emprega espaçadores cortados sob medida: um pequeno tubo de borracha, PVC ou acrilico é cortado na altura desejada. Um parafuso é passado pelo furo do chassi efetuado na seção anterior, o qual é firmado no lugar com uma primeira porca a qual é conduzida até a base do parafuso, ficando junto ao chassi. Procedendo igualmente para os 4 parafusos, teremos 4 “torres” firmes no local. O espaçador é passado neste parafuso, e a placa apoia-se sobre o espaçador. Esta porca adicional facilita a manutenção e posterior remoção das placas, sem ocasionar a soltura do parafuso.

A porca utilizada para a fixação da placa sobre o espaçador deve ser acompanhada de arruela de pressão e idealmente deve possuir tensionador de borracha interno para não soltar-se com a vibração do amplificador.

Esta é apenas uma técnica sugerida, a qual tenho utilizado sem problemas em diversas montagens. Existem inúmeras alternativas, materiais, marcas e tipos de espaçadores distintos para realizar esta fixação – dependendo apenas do acesso que o leitor terá a estes materiais específicos. Catálogos de fornecedores de material eletro-eletrônico, alguns possuindo centenas de páginas, podem ser de grande ajuda para encontrar peças adequadas a montagens específicas.

Interligação Final

Chegamos à parte final de nossa montagem!

Com as placas posicionadas em seu local definitivo, nos resta interligar a fonte de alimentação aos pontos corretos em nossas placas, dando vida ao circuito. Os trajetos do sinal devem ser cuidadosamente interligados, incluindo conexões da placa com potenciômetros e chaves localizadas no painel.

As ligações que levam aos pinos 2 e 7 (grades / G1) das válvulas 12AX7 devem empregar fios blindados. Caso utilize outros tipos de válvulas de pré-amplificação, os respectivos circuitos de grade devem ser blindados. Isto evitará interferências indesejadas e oscilações parasíticas.

A blindagem dos circuitos de grade é especialmente importante em circuitos de alto ganho e alta impedância. Porém, pode-se obter melhor relação de sinal/ruído (SNR) blindando também a ligação com o circuito de grade das válvulas de potência, onde há baixo ganho de tensão.

Mesmo ao utilizarmos placas de turrets, há alguns trechos onde conexões ponto-a-ponto são necessárias. O pino 1 das válvulas 6V6 não é utilizado, portanto, este terminal do soquete frequentemente é usado como ponte para o resistor limitador de corrente de screen. No circuito Champ 5F1 este resistor não existe, no entanto recomendo sua instalação de qualquer maneira: um resistor de 470 OHMs por 5 Watts garantirá longa vida à válvula 6V6.

A lâmpada indicadora do painel normalmente é conectada ao circuito de calefação, de 6.3 VAC. As lâmpadas mais comuns consomem entre 300mA e 500mA – possuem cerca de 3 Watts de potência.

Seguindo o esquema elétrico, verificam-se uma última vez todas as conexões, observando, principalmente, a polaridade correta de capacitores eletrolíticos e diodos. Ao trabalharmos com tensões acima de 50 V não devemos pressupor qualquer fato sobre nossa montagem. Todas as tensões devem ser verificadas com multímetro, e a conexão ao polo correto dos capacitores e diodos deve ser checada.

Parabéns! Concluída a montagem temos, diante de nós, um amplificador valvulado inteiramente construído por nossas próprias mãos. Se você chegou até aqui, já és um dos poucos que podem se orgulhar de ter construído uma relíquia, a qual lhe proporcionará muitos anos do melhor timbre de guitarra que existe!

Gabinetes

A função do gabinete é de proteger fisicamente e isolar eletricamente o chassi, as válvulas e o circuito do amplificador. No entanto, a forma não precisa, necessáriamente, seguir a função: o gabinete pode ser construído de forma a tornar o amplificador único. Normalmente os amplificadores serão lembrados pelo visual do gabinete.

Nos modelos combo o gabinete possui também a função de caixa acústica, pois acomoda e fixa mecânicamente os alto-falantes.

Gabinetes podem ser construídos em compensado de madeira, MDF ou madeiras maciças (ver capítulo sobre madeiras) e podem receber uma variedade de acabamentos (ver capítulo sobre tecidos). Alguns dos amplificadores mais conceituados utilizam coberturas estilo couro animal, a exemplo do Tolex. Esses incluem amplificadores Dumble, a maioria dos modelos Fender, incluindo aqueles produzidos no “Custom Shop”, Peavey, Marshall, Crate e assim por diante. Outros utilizam madeira exposta e acabada em verniz, a exemplo dos amplificadores Trainwreck de Ken Fischer, normalmente construídos em maple e outras madeiras comuns no norte dos Estados Unidos.

Alguns fatores devem ser levados em consideração na construção do gabinete.

Nossa maior atenção deve ser dedicada à rigidez estrutural. Montagens sem reforços, utilizando apenas cola e pregos/parafusos, necessitam de suporte interno, ou “mãos francesas”, para não sofrerem deformação. Muitas vezes o painel frontal também ajuda a manter a forma do gabinete.

Juntas de “malhete”, a exemplo dos chamados “rabos de andorinha”, ou as mais simples, juntas retangulares, oferecem maior rigidez estrutural e são capazes de manter a armação em perfeito angulo reto mesmo sem lançar mão de outros apoios internos. Utilizo e recomendo essa técnica, visando manter limpa a parte interna do gabinete, sem reforços adicionais.

Nas juntas de madeira ou MDF deve ser usada exclusivamente a cola de PVA (ver seção sobre materiais). Em alguns detalhes da montagem, como molduras, plaquetas identificadoras e outros pequenos acabamentos, podem ser empregadas “colas rápidas” de epoxy ou cianocrilato. Na colagem estrutural de madeira deve ser usada apenas a cola PVA.

Colando madeira

Alguns gabinetes de grife são notórios por descolarem após alguns anos de uso. Entre os mais conceituados que costumam apresentar tal problema encontram-se os Mesa Boogie Mark II. Deparei-me com diversas unidades cujos encaixes dos malhetes “rabo de andorinha” haviam se soltado. O problema ocorre principalmente quando as peças são coladas sem a aplicação de pressão. Os Mesa Boogie funcionam com temperaturas elevadas (principalmente nas juntas próximas às válvulas) por longos períodos, fator que também vai retirando o poder de junção da cola.

É, portanto, conveniente falarmos da etapa mais importante na construção de um gabinete robusto: a colagem das peças de madeira. Essa, que pode aparentar ser uma atividade simples, exige conhecimento e prática para ser bem realizada.

A questão mais importante a saber é que madeiras exigem pressão na colagem e não podem apenas ser juntadas por uma camada endurecida de cola PVA.

Quando a colagem ocorre sem pressão, a cola em si torna-se o elemento de fixação entre as duas peças, e não acontece ligação estrutural entre as superfícies de madeira.

Colas baseadas em ligas orgânicas tiveram seu valor na época dos violinos de Stradivari, porém nos dias atuais a cola a ser utilizada é aquela sintética, já bastante citada, com base em PVA (poli-vinil acetato).

As modernas colas de madeira iniciam o secamento minutos após serem aplicadas. A madeira inicia a absorção da água ou solvente contido na cola, e assim que a pressão é aplicada as peças começam a formar vínculo molecular entre si, até finalizar-se a cura final da cola (processo que pode levar alguns dias). Caso não haja pressão, apenas a cola se solidifica e as peças não soldam, cria-se literalmente um filete de cola rigida que apenas nos dá a impressão de haver fixação adequada entre as peças.

A secagem inicial relativamente rápida (24 horas) das colas de PVA exige que as peças sejam totalmente trabalhadas antes de aplicar a cola. Mover as peças após o início da colagem também reduzirá a qualidade das juntas e, portanto, devemos nos organizar para completar rapidamente o trabalho de montagem mecânica das peças antes de aplicar a primeira camada de cola.

Ao aplicar cola pela primeira vez sobre a superfície da madeira, a madeira começa a ser “selada” – a cola penetra e fecha os poros antes expostos. O selamento impede que, uma vez iniciado o secamento, mais cola penetre na madeira. Então é preciso acertar na primeira tentativa para dar origem a uma boa junção. Caso haja algum erro, a segunda tentativa não será mais tão robusta.

A cola PVA também impede o bom acabamento com verniz ou tingidores, portanto caso a área visível do gabinete seja manchada por cola, é preciso investir um certo tempo fazendo a total limpeza do local.

A limpeza das peças a serem coladas também é primordial. Gordura, óleos, resquícios de colagens anteriores, resinas de madeira, vernizes e outros seladores impedem a boa colagem, por vários dos motivos já discutidos. É preciso efetuar um trabalho de limpeza superficial da madeira antes de iniciar a colagem. Podem-se empregar alguns produtos para a remoção de gorduras na região de colagem: acetona, thinner 2700 e alcool isopropílico podem ser usados.

Devemos ter cuidado no emprego de qualquer um desses produtos – seu uso deve ser muito cuidadoso. Não só em função de sua toxicidade, mas porque até mesmo uma gota de acetona é capaz de marcar permanentemente a madeira por onde escorrer (no caso de gabinetes com madeira exposta). Pode-se trabalhar com a madeira de cabeça para baixo, de modo que caso ocorra escorrimento esse não atinja a parte que ficará exposta.

Utilizo um pano limpo, efetuando leve umedecimento do mesmo de modo que tenha o mínimo de sobra de solvente, limpando cuidadosamente a superfície que será colada.

O trabalho de colagem das peças exige, portanto, paciência e atenção a certos detalhes. Espero que as dicas aqui discutidas lhe auxiliem a realizar um bom trabalho de colagem.

Alças, pés e apoios para o gabinete

Pessoas irão interagir fisicamente com o gabinete do amplificador, carregando-o, efetuando sua instalação no palco, e assim por diante. Para tornar essa função mais fácil utilizamos alças, pés e outros apoios mecânicos.

As alças superiores, no estilo “malas de viagem” devem possuir reforço metálico interno em aço. Alças feitas apenas de couro ou plástico costumam romper-se com o tempo, problema que atingiu muitos amplificadores vintage, incluindo aqueles da Fender que, a partir de 1963, passaram a vir com alças reforçadas internamente por chapa de aço (TEAGLE, John. 1995. p. 32).

Os pés do amplificador devem, ao mesmo tempo, proteger a sua superfície inferior e propiciar a fácil movimentação do amplificador em superfícies lisas. Alguns, como aqueles utilizados em certos modelos de amplificadores Marshall, possuem duas peças separadas por uma camada de borracha. A borracha oferece um certo nível de amortecimento nas vibrações, especialmente quando o amplificador é posicionado sobre caixas acústicas, situação comum para cabeçotes.

Diversos modelos de amplificadores possuem apoios mecânicos externos. A Fender utilizou tal sistema para permitir que seus amplificadores fossem colocados em posição inclinada. A posição angulada também diminui a superfície de contato com o solo, especialmente em pisos com carpete, o que altera a resposta da caixa acústica. Outra inovação da Fender foi o sistema “piggyback”, no qual o cabeçote do amplificador é mecanicamente acoplado à parte superior da caixa acústica através de travas especiais. Assim, caixa e cabeçote podiam ser angulados juntos, sem risco de queda desse último, mesmo sob intensa vibração. O sistema da Fender era composto por duas barras metálicas cromadas, localizadas na lateral do amplificador. À distância aparentam ser apenas um detalhe de acabamento. Estas barras giram em torno de um pivô até que a alavanca superior se apóia em um batente. Forma-se, assim, um braço de de apoio em cada lado do amplificador.

Caixas acústicas podem ser mais facilmente transportadas utilizando alças laterais retráteis. Quando não estão sendo utilizadas, encaixam-se dentro de um receptáculo. Para carregar a caixa, basta puxar a alça.

A ausência de alças adequadas leva ao manuseio incorreto do equipamento. Estas servem, portanto, não só como auxilio mecânico mas também como um guia informal de como o construtor deseja que outros manuseiem o amplificador: técnicos e operadores de palco miram automaticamente nas alças. Quando não existem, “roadies” manipulam o equipamento à sua maneira.

Exemplo de efeito indesejável pode ser encontrado nos amplificadores com acabamento em verniz, o qual perde o brilho e deteriora-se rapidamente quando frequentemente manuseado. Para não alterar o visual em madeira exposta de um amplificador construido há alguns anos, preferí não incluir alças e apoios. O resultado foi um amplificador que se tornou difícil de transportar, especialmente devido ao cuidado requerido com o acabamento.

Portanto, equipamentos construídos para serem frequentemente movimentados devem possuir alças, apoios e reforços adequados.

Transformadores : Arranjo e Montagem

No capítulo da teoria de funcionamento dos transformadores vimos que eles fazem parte do coração do amplificador. Dois transformadores não podem ser dispensados nos amplificadores valvulados, de alimentação e aquele de saída.

Outros transformadores e indutores são opcionais, a exemplo dos chokes (que não são transformadores, apenas assemelham-se fisicamente), transformador de driver de reverb de molas e transformadores acopladores de estágios.

Por serem fisicamente semelhantes a um transformador, a instalação dos chokes segue os mesmos princípios elétricos e mecânicos, por isso os incluímos aqui.

Posicionamento dos Transformadores

Há, basicamente, duas opções de posicionamento dos transformadores: ambos do mesmo lado do chassi, ou acomodando um em cada extremo. Uma possível terceira opção, não convencional, envolve retirar os transformadores do chassi e interligá-los ao circuito através de um “chicote”.

Transformadores em lados opostos

Na grande maioria dos amplificadores para guitarra, os transformadores são posicionados nos extremos opostos do chassi. O gabinete torna-se mais equilibrado, tanto em termos de peso quanto visualmente. O aspecto físico de um amplificador contendo transformadores nos extremos e válvulas brilhando ao centro faz parte do conceito popular de como um amplificador deve ser configurado. Apesar de aparentar ser a organização perfeita, a configuração dos transformadores em lados opostos acarreta em um problema técnico: a formação de um anel elétrico de potência no interior do chassi. A fonte de alimentação sempre será ligada diretamente ao transformador de saída. Quando instalamos os transformadores em lados opostos do chassi, um condutor de alta tensão (a maior tensão encontrada na fonte) deve atravessá-lo por completo.

Transformadores: Organizando a Fiação

Devemos, então, falar brevemente sobre a organização dos fios na parte interna do amplificador.

Ao organizar a fiação do amplificador, deve-se observar sempre um importante detalhe: estágios de ganho sucessivos devem evitar cruzar suas saídas com o caminho físico das entradas. Simplificando: o sinal deve prosseguir sempre adiante no circuito (literalmente falando, os fios propriamente ditos devem evitar anéis e retornos), ou seja, se temos, no chassi, a válvula 1, 2, 3, o sinal deve eletricamente seguir o mesmo caminho físico: iniciar pela válvula 1, seguir para 2, 3, e assim por diante.

Quando “devolvemos” um condutor com o sinal de saída, digamos, se iniciarmos a amplificação pela válvula 2, e posteriormente a retornarmos para a válvula 1 por algum motivo (loop de efeitos ou reverb, por exemplo), internamente ao amplificador cria-se um “anel” de fiação, e quando a fiação leva a estágios de alto ganho temos a receita certa para obter ruídos e de forma geral um amplificador instável. Isto gera problemas de difícil solução posterior, é preciso planejar antes de iniciar a montagem. Na organização dos fios, todos os anéis devem ser evitados, tanto de sinais quanto da alimentação proveniente da fonte.

Anéis de fiação levam a curiosos efeitos colaterais, e são muito comuns nas montagens que utilizam placas de circuito impresso, pois as trilhas elétricas sob a placa costumam formar anéis, mesmo que acidentalmente. O autor recorda-se de um Marshall Valvestate VS-65 de um estudio popular em Brasília nos anos 1990. Tal amplificador captava uma das estações de rádio mais populares da cidade! Essa estação possúi, entre os intervalos comerciais, um “jingle” bastante conhecido, o qual podia ser ouvido durante o ensaio. O receptor de rádio acidentalmente embarcado no amplificador foi causado por defeitos como loops/anéis na fiação, organização das trilhas da placa de circuito impresso que, em conjunto com os captadores da guitarra, capacitâncias e indutâncias parasíticas, deixou o circuito precisamente sintonizado àquela estação – em alguma parte do circuito, aquele amplificador oscilava em frequências várias vezes acima daquelas audíveis.

Portanto, ao instalarmos os transformadores em lados opostos do amplificador, cria-se, obrigatoriamente, um anel no circuito contido entre a fonte e o transformador de saída.

Amplificadores Marshall, que possuem cabeçotes de cerca de 70cm de largura, devem enviar a alta tensão através dos quase 50cm entre a fonte e o transformador de saída. Do transformador de saída são devolvidos os extremos do primário para as válvulas de potência, localizadas ao centro. Há, portanto, entre 75cm e 1 metro de fiação ou trilhas de circuito impresso entre o transformador de alimentação e aquele de saída em todos os JCM900. Os JCM800 traziam os transformadores mais próximos um do outro e são exemplo de forma seguindo função – eram amplificadores muito bem construídos eletricamente, porém a estética era comprometida pelo amontoado de válvulas, capacitores LCR e transformador de saída, tudo ao centro do chassi. Já os sucessores JCM900 aparentam mais organizados, mas trabalham no limite da estabilidade. Ao posicionarmos o amplificador na bancada para testes, aumentando o ganho, apenas ao retirar a blindagem eletrostática do chassi, o amplificador pode entrar em oscilação. Ao tocar pinos 2 ou 7 das válvulas 12AX7 desse amplificador utilizando “hashi” (“palito de sushi”) o circuito pode entrar em oscilação! Vê-se que a estrutura do amplificador, circuito e montagem, não proporcionam qualquer “folga” – encontra-se no limiar da estabilidade. Anéis de fiação contribuem para esse fato.

Transformadores do mesmo lado do chassi

A solução para o tipo de loop acima descrito é posicionar os dois transformadores no mesmo lado do chassi. Tal solução é empregada por alguns construtores de amplificadores de boutique (Trainwreck sendo o exemplo mais conceituado) que priorizam a perfeição elétrica em detrimento do balaceamento de peso físico no gabinete.

Ao posicionar os dois transformadores do mesmo lado do chassi, todo o setor de potência é confinado a apenas uma região do mesmo. Do transformador de alimentação passamos pelo fusível, chave de alimentação, e chegamos à fonte. Da fonte vamos diretamente ao transformador de saída, e dele para as válvulas de potência, contornando pelas laterais do chassi. Do transformador de saída, seguimos diretamente para os alto-falantes – não há mais loops de fiação e o sinal segue sempre adiante.

Falamos anteriormente de uma desvantagem desse método: o amplificador torna-se mais difícil de carregar, pois terá muito mais peso em um dos extremos.

Após terminar a construção de alguns amplificadores utilizando essa técnica, empregando o circuito FK-40 de minha autoria, alguns técnicos e músicos me questionaram: como era possível aquele amplificador de alto ganho ser tão silencioso? Um dos fatores é justamente o que aqui compartilho com o leitor: em algumas de minhas montagems priorizei obter o mínimo de “anéis de fiação”, idas e voltas e prolongamentos excessivos dos fios. Quando possível os dois transformadores encontram-se do mesmo lado do chassi. Possuo diversas montagens com transformadores em lados opostos, é claro, principalmente buscando o efeito estético. Não devemos romper com a tradição dos valvulados, e a estética é sempre um fator importante. No entanto, se a meta é obter o amplificador mais estável e silencioso possível, é preciso conhecer tal importante fator na organização interna do amplificador. Amplificadores de baixo ganho podem se dar ao luxo de cometer pequenos erros em nome da estética, já os circuitos de alto ganho não podem conter erros do tipo.

Por fim, a orientação dos transformadores, quando colocados lado a lado, deve, idealmente, possuir 90 graus de diferençá no sentido das laminações de um e de outro. Em outras palavras, o sentido das laminações do núcleo de um dos transformadores deve formar ângulo reto com o sentido das laminações do outro transformador (ver fotos ao longo deste texto). Assim, colocam-se perpendiculares os planos dos campos magnéticos gerados pelos dois indutores, reduzindo, ou eliminando por completo, a interação entre ambos. De outra forma, um transformador de alimentação suficientemente grande poderia induzir corrente de 60 Hz no transformador de saída. Outros fatores ingressam na receita de um amplificador silencioso, as quais iremos citando nas demais seções deste livro.

Transformadores fora do chassi

Uma opção não muito convencional é a de simplesmente retirar um ou ambos os transformadores do chassi. Efetuei apenas uma montagem utilizando essa configuração em um amplificador de cerca de 10 Watts, e o resultado foi satisfatório.

Primeiramente, em termos de elétrica, há diversas vantagens neste tipo de montagem. O ruído causado pelo campo magnético proveniente do núcleo do transformador é distanciado do circuito; torna-se imperceptível. Ganha-se área superficial no chassi para melhor distribuir capacitores eletrolíticos e as próprias válvulas. A fiação de ambos os transformadores pode ingressar no chassi no mesmo ponto, não mais separados, e assim é possível organizar melhor a fiação interna.

No entanto, alguns fatores devem ser lembrados nesse tipo de montagem.

A calefação das válvulas exige a maior corrente do sistema valvulado. No caso de um amplificador de 100 Watts com 4 válvulas EL34 e 3 12AX7, por exemplo, essa corrente terá média de cerca de 9 Amperes enquanto o amplificador estiver ligado, 100% do tempo, mesmo com standby ligado. No caso de válvulas KT88 a corrente total poderá passar de 10 Amperes. Assim, devem-se evitar grandes distâncias de fiação entre a fonte e a válvula. Ao separar os transformadores do chassi, estamos prolongando o trajeto entre fonte e consumidor – com a distância aumentamos também a resistência da fiação.

Os principais fabricantes de fios especificam a corrente máxima AC e DC para seus produtos – estas especificações devem ser estudadas ao optarmos pela fiação correta. Deve-se deixar folga suficiente de modo que a fiação trabalhe fria e, portanto, sem causar demasiada queda de tensão. Assim, caso decida interligar os transformadores externamente, seria necessário empregar fiação de bitola de, no mínimo, 2.5 mm.

O segundo, e talvez mais importante fator, trata do correto isolamento da fiação de alta tensão. Ao instalarmos o transformador fora do chassi, estaremos criando um trajeto com potencial elétrico de centenas de volts. A passagem da fiação pela abertura no chassi é especialmente crítica, devendo existir isolamento de borracha de modo que a insulação do fio não vá sendo corroída pelo atrito com o chassi e as vibrações constantes.

Uma das vantagens da instalação dos transformadores fora do chassi nos amplificadores em configuração “combo” é o fato de melhor distribuir o peso do mesmo. O posicionamento deles no fundo do gabinete o torna mais fácil de carregar. No entanto, o gabinete é frequentemente utilizado para carga de outros equipamentos, como pedais de efeitos, então é preciso observar, mais uma vez, a proteção aos fios de modo que não sejam danificados com a inserção brusca de equipamentos naquele espaço.

Separar os transformadores do chassi foi, na minha opinião, uma alternativa experimental de sucesso. Porém, devido principalmente ao fator segurança, e conhecendo os hábitos do músico de portar equipamentos na parte traseira do amplificador, não empregaria tal sistema em amplificadores construídos para terceiros.

Os tanques de reverb normalmente localizados ao fundo dos gabinetes sofrem danos frequentes devido a esse tipo de prática e, portanto, os transformadores ali instalados estariam sujeitos aos mesmos riscos.

Componentes “Vintage”

Em qualquer discussão relacionada aos amplificadores valvulados surge, necessariamente, o assunto dos componentes clássicos, os quais denominamos “vintage”.

Entende-se por “vintage” algo que tenha sido parte da moda em determinado período e que, após um certo período de relativo esquecimento, retornou à preferência de certos grupos, voltando a ser cultuado.

No contexto de amplificadores valvulados, especificamente para guitarra, a própria tecnologia a válvulas poderia ser considerada vintage mas, para evitar duplas interpretações, iremos chamar de vintage apenas equipamentos construídos antes da década de 1970. Os amplificadores Fender Tweed e Woodies, amplificadores Valco, Gibson pré 1965, Rickenbacker (por vezes grafados com h: Rickenbacher) são os maiores expoentes dessa época. Amplificadores Fender de placa frontal negra, os chamados “black faces” (1960’s) podem ser considerados itens de coleção, cuja caracterização como “vintage” cabe à preferência de cada um. São, obviamente, equipamentos com longa história e enorme tradição.

Falando de guitarra elétrica: certamente são “vintage” aqueles amplificadores construídos após a grande depressão de 1929, durante o New Deal (-1936), no início da II Guerra (-1945) e no surgimento da Fender (1946 em diante).

A Europa seguiria os Estados Unidos na fabricação de amplificadores valvulados para guitarra a partir do fim dos anos 1950. Aqueles que podem ser considerados os “vintage” europeus seriam os contemporâneos dos Vox AC15 surgidos em 1958, AC30 de 1959, e os primeiros Marshall surgidos a partir de 1962 – para citar apenas alguns exemplos.

Tendo definido o que, aproximadamente, consideraremos um equipamento vintage, podemos proceder ao estudo dos componentes vintage. Chamamos assim os componentes típicos daquela época. Seriam capacitores com dielétrico de papel ou óleo mineral, alto-falantes com bobina de campo, acabamento em tweed ou imitações de couro em cores estilizadas como a cor vinho, tecido ortofônico com padrões em losangos em fundo vinho ou marrom, plásticos a base de baquelite, montagens em pontes de terminais montados sobre tiras de fenolite ou baquelite, antecedendo inclusive às placas de ilhós e turrets, fios cobertos com pano, resistores com terminais nas laterais, capacitores com valores codificados a cores, potenciômetros com hastes longas, feitas para serem colocadas no interior de rádios e para puxar cordas de sintonização do receptor, tomadas de baquelite, fios de capeamento marrom, e incontáveis outras características marcam os componentes vintage.

Com o passar do tempo, o conceito subjetivo do que é ou não “vintage” vai se modificando, mas na discussão acima buscamos nos manter firmemente no território que, indiscutivelmente, remete ao conceito popular do que é um amplificador vintage / colecionável.

No entanto, há componentes de produção atual que procuram manter o visual daquela época, agregando vantagens trazidas pela modernidade. Capacitores Sprague, atualmente produzidos pela Vishay, trazem envólucros protegidos por isolante termo-retrátil, porém, ao abrir um capacitor Sprague Atom o leitor notará que internamente há uma pequena cápsula espiral comprimida entre condutor e dielétrico. O enorme envólucro serve apenas para manter o visual vintage dos tradicionais capacitores Sprague.

Os fios com capa de pano de produção atual possuem proteção anti-chamas e são produzidos tanto no formato fio sólido quanto cabos flexíveis. Normalmente têm o pano banhado em parafina, processo que os torna extremamente fáceis de desencapar e trabalhar, pois a cobertura não se desfia facilmente ao ser cortada. Uma enorme diferença de tempos passados.

Assim, o amplificador valvulado construído na atualidade, e que busca manter o aspecto vintage, irá, necessariamente, empregar alguns componentes considerados “modernos”. O uso de componentes autenticamente vintage é, inclusive, uma atividade que implica em certo risco para a qualidade final do equipamento.

Ocorrem leilões onde válvulas GE ou RCA de 1960 são vendidas com enorme ágio devido à enorme demanda que existe por tais componentes. No entanto, deve-se lembrar que estas válvulas sobreviveram a, pelo menos, 50 anos de manuseio, movimentações, eventuais quedas, armazenamento em condições precárias e, assim, por diante. Componentes vintage possuem, é claro, enorme apelo subjetivo, no entanto, é possível manter o aspecto “vintage” utilizando componentes mais confiáveis, produzidos na atualidade. Os capacitores eletrolíticos, por exemplo, possuem vida útil finita, e grande parte dos lotes de capacitores com mais de 20 anos de fabricação já não podem ser usados caso tenham permanecido descarregados por todo esse tempo. O eletrólito contido nestes capacitores requer carga elétrica periódica para manter-se funcional. Ao conectar pela primeira vez capacitores eletrolíticos que permaneceram em armazenamento por longo período, devemos utilizar um limitador de corrente, pois há a possibilidade da ruptura súbita do dielétrico e eventual curto-circuito.