Cronologia da Fender

A Fender é, sem dúvida, a mais inovadora e historicamente relevante fabricante de amplificadores para guitarra. Destacamos aqui alguns dos principais acontecimentos na história da empresa.

1909

  • Nasce Leo Fender

1938

  • Leo Fender funda a Fender’s Radio Service: assistência técnica para rádios.

1945

  • Leo Fender e Doc Kauffman fundam a K&F (Kauffman & Fender)
  • Amplificadores K&F com falantes de 8” e 10” são produzidos a mão.

1946

  • Kauffman deixa a empresa e Leo Fender renomeia seu negócio como Fender Electric Instrument Co.
  • Lançada a série em madeira, sem revestimento, conhecidos por “Woodies”:
  • Lançado o Princeton com um falante de 8”
  • Lançado o Deluxe com um falante de 10”
  • Lançado o Professional com um falante de 15”

1947

  • Criado o novo estilo Tweed de gabinetes
  • Lançado o Dual Professional em Tweed
  • Lançado o Champion 800 em revestimento distinto do resto das séries

1949

  • O Champion 600 substitui o Champion 800
  • A Fender inicia testes com protótipos do Bassman e do Pro Amp

1953

  • O Twin Amp com dois falantes de 12” é lançado
  • O novo visual frontal é lançado, abandonando o visual “Televisão” com moldura arredondada

1954

  • No fim do ano o Bassman deixa de ter apenas um controle de Timbre e passa a ter controles de Graves e Agudos

1955

  • O Bassman deixa de ter um falante de 15”e passa a ter 4 x 10”
  • O Bandmaster passa de um falante de 15” para 3 x 10”
  • Surgem os primeiros amplificadores Fender com efeito trêmolo

1957

  • O Bassman ganha controle de Médios, além dos já existentes Graves e Agudos

1958

  • O Twin passa a utilizar 4 válvulas 5881 no estágio de potência, passando a ter entre 80 e 100 Watts RMS
  • Lançado o Bassman baseado no circuito 5F6

1959

  • Lançado o Vibrasonic, primeiro amplificador Fender coberto com Tolex ao invés de Tweed
  • Painéis passam a ser pintados em marrom escuro com letras brancas
  • Lançado o Concert com 4 falantes de 10”
  • Lançado o circuito 5F6-A do Bassman ‘59 que se tornará o amplificador mais cultuado da Fender

1960

  • Todos os Professional passam a ter o visual do Vibrasonic, entre eles
  • O Super com 2 falantes de 10”
  • O Bandmaster com 3 falantes de 10”
  • O Pro com um falante de 15”
  • O Twin com dois falantes de 12”
  • O Champ, Princeton, Harvard, Vibrolux, Deluxe e Tremolux continuam sendo produzidos em acabamento Tweed
  • Em Dezembro de 1960 o Showman é lançado em cabeçote separado das caixas, em Tolex branco, knobs brancos e painel marrom claro, que seria imitado nos anos 1990 nos modelos Fender Custom Shop

1961

  • O Twin é convertido para cabeçote e caixa separados, presos através de travas (sistema “piggyback”)
  • O Bassman de 4×10” é transformado em cabeçote, e deixa de ser Tweed. Passa a ter uma caixa com um falante de 12”
  • O Tremolux passa a ser cabeçote e preso em sistema semalhante a uma caixa com um falante de 10” invés de um falante de 12”
  • O Champ passa a ser coberto com Tolex marrom ao invés de Tweed

1962

  • O tecido ortofônico marrom é substituído por bege

1963

  • Primeiro amplificador com reverb interno é anunciado, o Vibroverb
  • O Twin passa a ter reverb, nasce o Twin Reverb
  • Nasce o visual “Blackface” com knobs pretos e números encontrados diretamente nos knobs ao invés de estarem indicados no painel.
  • O logotipo passa a ser prateado e elevado, na parte superior esquerda dos amplificadores

1964

  • A CBS compra a empresa de Leo Fender por U$ 13 milhões

1965

  • As plaquetas dos amplificadores passam a ter “Fender Musical Instruments” ao invés de “Fender Electric Instruments”, marcando assim os amplificadores da era CBS
  • Leo Fender passa a trabalhar apenas no laboratório da empresa

1966

  • Lançados modelos estado sólido (utilizando transistores no lugar de válvulas)

1968

  • Oito dos 10 modelos da linha valvulada já possui equivalentes transistorizados
  • A linha valvulada passa a ser produzida com painel em alumínio iniciando o visual “Silverface”

1969

  • O Bassman e o Super Showman passam a ser transistorizados
  • Poucas mudanças ocorrem até 1981 exceto nos preços que foram aumentados consideravelmente

1970

  • A Fender eleva muito o preço de seus amplificadores, causando insatisfação entre músicos
  • Leo Fender deixa definitivamente a empresa devido a problemas de saúde

1971 a 1981

  • A CBS promove um período com poucas inovações, marcado pela insatisfação entre músicos e rápido declinio do nome Fender

1982

  • A linha Blackface é ressuscitada com algumas modificações estéticas na linha do passado
  • Paul Rivera lança a linha “II” de amplificadores, sem trêmolo e permitindo alterância de canais. São os últimos amplificadores da era CBS.

1984

  • A Fender importa sua linha Sidekick do Japão

1985

  • A Fender é comprada por investidores e antigos colaboradores por U$ 12.5 milhões
  • Nasce a Fender Musical Instruments Corporation – FMIC
  • A nova empresa não possui fábrica nos Estados Unidos e depende de importações

1986

  • Uma nova fábrica em Oregon volta a produzir os Champ 12, The Twin e Dual Showman
  • Os knobs de controle passam a ser vermelhos

1988

  • O Super 60 é lançado

1989

  • Uma nova série de transistorizados de 50 a 160 Watts é lançada com mesmo visual dos valvulados

1990

  • Nasce a série de reedições de antigos clássicos. São lançados o Bassman 1959 Reissue e 1963 Vibroverb Reissue

1991

  • Lançado o 1965 Twin Reverb Reissue

1993

  • Criada a linha Custom Amp Shop de amplificadores, série de amplificadores Fender feitos a mão em uma fábrica dedicada da empresa.

1994

  • Lançado o 1965 Deluxe Reverb Reissue

Atualidade

A marca Fender continua a ser sinônimo de Blues e Rock ‘n Roll. Na atualidade a empresa oferece amplificadores transistorizados, alguns dos quais embarcam circuitos digitais e processadores de efeitos(Princeton 650, por exemplo) mas também possui linhas de “reissues”, usando circuitos clássicos totalmente valvulados, como o pequeno Champ 600, um dos primeiros produtos da empresa.

Alguns dos amps Fender mais cultuados são oriundos do Fender Custom Shop: construídos a mão por técnicos experientes que se responsabilizam por cada unidade. São amplificadores de maior valor de mercado e também possuem construção de primeira.